Arquivo de Tag | SOCIEDADE

Valorize-se já!

Quanta confusão! Quanto desgaste quando na verdade todas as respostas estavam bem aí dentro de você. Mas você, nesse momento não consegue enxergar isso! Sua queixa principal é a falta de valorização. Mas não é só “dele”! É o seu chefe, seus amigos, parentes, enfim, um coro quando o assunto é valorização.

Você quer a todo custo principalmente que ele a valorize e a veja como a mulher dos sonhos. Mas e você? Quando você olha pra você o que vê? Você consegue visualizar a mulher dos sonhos?Ora, se nem você se vê dessa forma, como acredita que ele a verá?

Você trabalha arduamente e anseia por essa valorização. Lê todos os textos do site e praticamente decora minhas palavras. Você tenta seguir meus conselhos a risca, fazendo isso ou aquilo com ele. Ótimo! Só que você faz por fora! É só esse pequeno detalhe!

Você faz tudo por fora, mas lá dentro…lá dentro mesmo você está morrendo de medo! Você está extremamente insegura, firme igual a uma gelatina!

E agora eu pergunto: Qual é a energia que prevalece? Aquela que você aparenta ou que está lá dentro?

Acertou quem disse a energia de dentro. Meninas, é só o que importa!

Você pode até fazer cara de paisagem pra ele, porém quando ele olha pra você, ele ainda sabe o que você está sentido ou pensando. E por quê? Porque ele é médium? Não minha linda, porque ele é um ser que também está nesse planeta com os mesmos sensos, ou seja, com as mesmas ferramentas do que você. Ele sente a sua energia! Assim como você também sente a energia dele. E então se ele der importância a essa energia que está emanando de você, ele saberá que é tudo da porta pra fora!

Logo, a valorização começa em primeiro lugar dentro da gente. Você precisa urgentemente encontrar uma forma de buscar esse valor dentro de você. Quando você conseguir isso, a primeira coisa que acontecerá, é que esse medo que está aí dentro, desaparecerá. Quando você toma seu valor por inteiro, tudo o que você faz é certo! Por mais errado que esteja!

Quando esse seu valor aflora, você fica ao seu lado e então pára de pedir opinião dos outros, pois você será sua melhor amiga e só você sabe o que é melhor! Os outros não têm mais poder sobre você.

E então quando você desperta para esse seu valor, nada mais precisará ser feito. Suas palavras, suas ações e seus pensamentos serão baseados exclusivamente no seu melhor. E ele? Bom, ele começará a valorizá-la automaticamente. Você não precisará se debater mais pra isso.

Essa é uma das leis do Universo. E acredito que seja a principal lei. Tudo começa aqui dentro! Se você não tem valor aí dentro, não adianta trabalhar por fora, pois será em vão. Primeiro aí dentro, o resto é consequência! Eu sei que isso tudo que falo aqui, é totalmente novo para 90% das pessoas que estão lendo. Ok! Mas eu sou a testemunha! Eu também um dia já tive medo, já chorei, me desesperei e fui machucada. Só que depois que descobri como as coisas funcionam, nunca mais passei por isso, pois tudo conspira ao meu favor. E não tem ninguém que mude isso dentro de mim! Ninguém!

Os outros não tem que valorizar você! É seu trabalho fazer isso!

Anúncios

Criatividade – Por Sérgio Navega


Por Que Criatividade é tão importante? Será que todos nós somos criativos? É algo que vem de berço ou se aprende? Pode ser cultivada, incentivada? Dá para ser Criativo em uma Empresa não Criativa? O que é afinal Criatividade?

São muitas perguntas, grande parte delas com várias respostas possíveis, e nenhuma resposta pode ser considerada a “melhor”. Criatividade é o típico conceito que resiste a definições e durante muito tempo temos visto aparecer diversos livros e manuais tentando apresentar visões pessoais (e algumas vezes idiosincráticas) sobre o assunto. Nosso enfoque neste pequeno artigo é mostrar que Criatividade pode ser encarada de uma maneira bastante diferente das tradicionais e que essa forma é mais fundamentada do que muitas outras alternativas.

Criatividade de Vários Pontos de Vista

Quando a coisa é difícil de definir ou entender, um exercício interessante é observá-la sob diversos ângulos. É o que faremos aqui, através de enfoques bastante distantes um do outro. Todos tentam iluminar a questão “O que é Criatividade?”.

Sob o ponto de vista humano
Criatividade é a obtenção de novos arranjos de idéias e conceitos já existentes formando novas táticas ou estruturas que resolvam um problema de forma incomum, ou obtenham resultados de valor para um indivíduo ou uma sociedade. Criatividade pode também fazer aparecer resultados de valor estético ou perceptual que tenham como característica principal uma distinção forte em relação às “idéias convencionais”.

Sob o ponto de vista cognitivo
Criatividade é o nome dado a um grupo de processos que procura variações em um espaço de conceitos de forma a obter novas e inéditas formas de agrupamento, em geral selecionadas por valor (ou seja, possuem valor superior às estruturas já disponíveis, quando consideradas separadamente). Podem também ter valor similar às coisas que já se dispunha antes mas representam áreas inexploradas do espaço conceitual (nunca usadas antes).

Sob o ponto de vista neurocientífico
É o conjunto de atividades exercidas pelo cérebro na busca de padrões que provoquem a identificação perceptual de novos objetos que, mesmo usando “pedaços” de estruturas perceptuais antigas, apresentem uma peculiar ressonância, caracterizadora do “novo valioso”, digno de atenção.

Sob o ponto de vista computacional
É o conjunto de processos cujo objetivo principal é obter novas formas de arranjo de estruturas conceituais e informacionais de maneira a reduzir (em tamanho) a representação de novas informações, através da formação de blocos coerentes e previamente inexistentes.

Como quase todas as definições, estas são opacas e difíceis de entender, mas servem para demonstrar como é vasto o repertório de idéias que podem ser postas em conjunto para tentar explicar o que é o fenômeno criativo. Há, no entanto, uma grande tendência em se “assustar” com essas idéias e dessa forma evitar compreendê-las, ficando com aquelas noções batidas de “preparação, incubação, insight”. Não temos espaço neste artigo para mostrar porque essas idéias velhas não vão muito longe. Basta dizer que a grande maioria dos autores de livros e manuais de Criatividade se contentam em expor “técnicas” com variações dessas estratégias e com isso parecem se satisfazer com as idéias que historicamente tem sido usadas para explorar esse assunto. No mínimo, isto pode ser dito como muito pouco criativo da parte deles. Temos que ser criativos para pensar sobre criatividade.

Propomos pensar sobre Criatividade a partir de outro enfoque: para ser mais criativo, temos que entender porque o cérebro humano é naturalmente criativo, porque as crianças são espontaneamente criativas.

Temos que compreender como funciona a mente humana, em seus aspectos mais cognitivos e perceptuais, não através de “chutes” sobre como pensamos, mas sim através do acompanhamento criterioso das descobertas científicas acerca da mente e do cérebro humanos. Nunca houve tantas informações sobre esse assunto quanto tivemos nos últimos dez anos.

Criatividade Auxilia Percepção e Vice Versa

A Ciência Cognitiva estuda, entre outras coisas, como o cérebro humano desenvolve progressivamente sua capacidade perceptual. Uma criança aprende com o tempo a perceber expressões faciais de seus pais quando eles estão, por exemplo, zangados ou impacientes. A percepção é uma atividade contínua do cérebro e para identificar os diversos objetos e eventos que uma criança tem que lidar, muito de seu aprendizado depende de correlacionar coisas que acontecem em frente a seus olhos, ouvidos e mãos. Para executar essa correlação a criança precisa ser ativa, precisa interagir com o ambiente e testar seus limites, precisa verificar se aquilo que aconteceu ontem também vai acontecer hoje. Isto é, na essência, um dos procedimentos fundamentais da Criatividade, o desenvolvimento (através de testes e observação) de uma capacidade perceptual apurada através da atitude ativa.

Com o tempo, a criança se desenvolve e vai querer atingir novos objetivos.

Agora ela já está mais apta a atuar sobre o mundo e teve tempo de desenvolver um aparelho perceptual suficientemente poderoso para ajudá-la na tentativa de satisfazer seus anseios. Um deles pode ser, por exemplo, alcançar aquele bolo que está ali sobre a mesa. Sua percepção lhe informa que um banquinho próximo à mesa lhe daria suporte para quase alcançar o topo dela. Falta apenas um pouco mais. Então, sua criatividade vai impeli-la a observar ao redor e ver se há algo mais que possa lhe “fornecer” o tipo de suporte de que necessita para elevá-la além da altura do banco. Ao encontrar uma caixa de brinquedos, um “estalo” ocorre: se colocada sobre o banquinho, isto lhe permitirá atingir a mesa e assim saborear o bolo.

Este ato criativo no caso da criança tem dois componentes que eu gostaria de destacar. O primeiro é a solução inovadora (a criança não “sabia” desta solução, ela a concebeu, principalmente porque sua percepção “juntou partes”). Mas há também o fator “risco”, pois qualquer adulto que estivesse presente iria desincentivar a criança porque talvez a caixa de brinquedos sobre o banquinho fosse instável e assim a criança poderia cair. Temos aqui dois itens que influenciam bastante a criatividade:

1) A necessidade de um lado (em conjunto com a habilidade perceptual) fornecem impulso positivo para o desenvolvimento de soluções criativas. Para ser criativo, devemos ter claro em nossa mente o objetivo (mesmo que vago e incerto) que queremos atingir.

2) A crítica dos pais fornece reforço negativo (neste caso, apropriado), pois há a imposição de uma regra que “corta” o fluxo criativo de pensamento (essa regra, na verdade, só tem significado para os pais, para a criança não significa nada, pois ela não sabe do perigo de cair de apoios instáveis, só irá aprender quando cair uma vez).

Obviamente, a regra dos pais é bem-vinda pois evita um acidente desagradável. Mas se os pais não esclarecem à criança o porquê da regra, isto fará sobrar em sua pequena mente apenas a parte negativa da regra, aquela que tolhe a iniciativa sem dizer qual a causa disso. É fundamental que todos nós entendamos o porquê das coisas.

Quando adultos, mantemos boa parte dessas restrições impostas sem explicação em nossas cabeças.

Elas nos colocam regras, normas, procedimentos, padrões, bloqueios que agem como os pais originais agiram em relação à criança. À primeira vista, isto pode parecer tão útil quanto a situação original da criança: as regras e procedimentos foram desenhados porque eles deram certo no passado  (evitam quedas dolorosas). As regras que nos ensinaram na escola e na faculdade também tiveram certo cuidado em sua confecção. Então como justificar a criatividade (quebra de regras) neste caso? Vamos nos concentrar agora no porque é necessário quebrar regras.

Criatividade e Expansão de Potencialidade

A grande diferença entre as regras dos pais em relação à criança e as regras e procedimentos aprendidos na faculdade e no trabalho em relação aos adultos vem do fato de que os pais da criança estão totalmente certos de que há um risco alto em se apoiar em uma caixa de brinquedos instável. Já as regras dos adultos são apenas coisas que funcionaram bem até hoje. Entretanto, não há ninguém que consiga justificar porque elas irão funcionar bem amanhã (isto é parte de uma discussão filosófica sobre a justificação de procedimentos indutivos). Além disso, se a regra é apresentada a nós sem nenhuma explicação convincente, então ela pode ter sido desenvolvida por força de generalizações imperfeitas. O mundo evolui, descobrimos novas coisas a todo o instante. Confiar cegamente nas regras antigas significa desprezar o potencial criado pelas descobertas recentes.

Esta é mais uma das observações que fazemos para justificar porque temos que entender as coisas. Não basta sabermos sobre fatos, temos que captar a essência de suas interligações. Em outras palavras, em vez de ensinar a nossas crianças o nome dos afluentes do rio Amazonas (e de cobrar esses nomes em provas, valendo nota!), elas deveriam ser expostas ao ciclo de eventos que ocorrem por causa da chuva, deslocamento de águas dos rios para os mares e posterior evaporação.

Esse conhecimento (conhecimento causal) é muito mais importante do que nomes e dados factuais, pois permite a pessoa pensar sobre as coisas e usar o pensamento para melhorar sua vida (via criatividade!).

Há utilidade também em dividirmos a criatividade em duas áreas (como faz Margaret Boden): a criatividade psicológica, na qual aquilo que é inventado é novidade para a pessoa, mas não para a humanidade (ou seja, alguém já fez isso no passado) e a criatividade histórica, na qual a criação é inédita em termos universais. As crianças tem em geral criatividade psicológica, é novo para elas mas já foi feito muitas vezes no passado. Mas como adultos em geral estamos à cata de criações históricas, coisas que nunca foram tentadas (ao menos na exata situação contextual em que estamos). Portanto, estamos à procura justamente de criações para as quais não existem regras definidas previamente, ou seja, as regras atuais não valem. Entende porque temos que quebrar regras?

Portanto, Criatividade serve muito para explorarmos o desconhecido, e para isso precisamos ter em mente que frequentemente vamos errar. Tentar e errar faz parte do processo criativo e um dos pontos básicos para ampliarmos nosso potencial criativo é justamente reconsiderar nosso “medo” de errar, talvez transformando a palavra em “testar”.

Veja que a cada “teste” malsucedido que fazemos conseguimos novos elementos para nosso aparelho perceptual (mais ligações de causa/efeito, mais identificação de correlações, mais micro-regras unindo partes do problema a outras partes, mais conhecimento sobre partes montando um todo, etc). Por isso se diz que muito se aprende com os erros. Eles enriquecem nossa percepção de forma que possamos ter melhores chances de simular o mundo em nossas mentes em futuras situações.

Criar é Ter Inteligência Para Simular

Uma das características mais marcantes dos “seres inteligentes” que habitam este planeta é a habilidade de aprender e antever consequências de atos imaginados. Isto nos permite fazer “modelos” do mundo. Conseguimos “rodar” um programa simulador em nossa mente. Uma criança desde cedo aprende a entender o que significa a força da gravidade e a partir daí irá ganhar uma forma virtual de testar mentalmente uma determinada ação física, verificando se ela é segura ou não antes de executá-la. As crianças acabam descobrindo que se colocar o dedinho no fogo a consequência é dor lancinante. Depois disso, elas podem antever a consequência do ato de estender seu dedinho mental no fogo virtual e sentir assim o efeito virtual correspondente, sem ter que passar pelo efeito físico.

Passamos boa parte de nossa vida aprendendo como melhorar nossa simulação do mundo exterior. Modelamos o mundo físico, modelamos as emoções das pessoas com as quais convivemos, modelamos a empresa em que trabalhamos, o governo, nossos vizinhos, nosso carro, o trânsito, etc. Boa parte de nosso raciocínio é meramente uma simulação de grandes cadeias causais (isto causa aquilo que causa aquilo…). Podemos dizer que essa sequência de inferências são representantes das “regras” que usamos no dia-a-dia, equivalentes às regras mais simples como aquela que diz que quando vou atravessar uma rua, devo olhar para os dois lados. Essa regra é tão forte que chega ao caráter de comportamento condicionado. Tudo isto é muito, muito útil, pois poupa-nos tempo, automatiza procedimentos rotineiros, aumenta nossas margens de acerto e evita erros fatais. Há poucas (se é que há alguma!) vantagem em ser criativo no atravessar a rua.

Mas há um lado ruim dessa tática: essas regras também nos fazem ficar acomodados e por isso evitamos procurar novas possibilidades. Para sermos criativos, temos que estar dispostos a quebrar (mesmo que apenas mentalmente) várias dessas sequências pré-programadas e dessa forma rodar nossa simulação do mundo com um conjunto alterado de regras. Mas para que mesmo fazer isso? Vamos rever essa idéia.

O Estalo Perceptual

Aposto que todos os leitores já ouviram falar (ou mesmo já tiveram) o famoso “aha!” ou o “eureka”. São expressões que exprimem o momento em que as coisas se “encaixam” de um jeito ideal mostrando seu valor imediatamente. Chamo a isso de “estalo perceptual”. Por que?

Porque esse estalo aparece devido ao nosso treinamento perceptual para reconhecer coisas valiosas. Quando as coisas se juntam, há um momento onde identificamos uma espécie de “objeto” como se tivessemos reconhecido a face de um velho amigo que não vemos há muito tempo. Na realidade, em termos neurocientíficos é exatamente isso o que ocorre. Essa é uma atividade essencialmente cognitiva e que mostra a importância de cultivarmos habilidades perceptuais.

Ainda há muito a se falar sobre este tópico e caso você esteja interessado em maiores informações, você pode me contatar no e-mail abaixo. Veja também a página do meu seminário sobre criatividade que trata desses assuntos com maior profundidade, em especial como podemos fazer para alterar as regras que conhecemos e assim obter maiores chances de estalos perceptuais.

Nós humanos somos os únicos seres inteligentes deste planeta capazes de uma profunda auto-reflexão. Para ser mais criativos, temos que levar esse auto-conhecimento um passo adiante. Temos que conhecer como funcionam nossos cérebros para poder não apenas nos deleitar com esse conhecimento, mas também para potencializar nossas capacidades e assim ampliar o alcance de nossas melhores intenções humanísticas.

Homem feminino – Carlos Nader

Tumblr_lujnrlyyxo1qhup4ao1_1280_large

Nosso colunista alerta: está faltando mulherzinha nos homens. E, veja só, nas mulheres também…

Eu era daqueles homens que poderiam ter um adesivo no vidro do carro: “Eu Também Jogo Toalha Molhada na Cama”. Era mais forte do que eu. Um instinto irresistível, diretamente ligado ao cromossomo Y.

Não tinha jeito. Eu saía do banho, pensando em tudo que tinha que fazer durante o dia, todo o trabalho que me esperava, e, quando via, já tinha jogado a toalha. Sempre assim. As aranhas teciam suas teias, os deputados teciam suas tramóias e eu jogava uma toalha molhada na minha própria cama.

Com o tempo, eu me regenerei, iluminado por uma aparição de Nossa Senhora do Apocalipse. Arremesso de toalha na cama é um gesto que tem ligação direta com o fim do mundo. É. Homem, em geral, não sabe cuidar da casa. Nem da própria, nem da de todos. A história ambiental da Terra é lotada de homens jogando toalhas sujas em camas limpas.

Um petroleiro vaza no Alasca. Uma usina atômica vaza na Rússia. Um litro de mercúrio de garimpeiro vaza para um rio da Amazônia. Nenhuma dessas cenas é fruto de uma maldade programada, dolosa. Como a toalha na cama, o acidente ecológico resulta sempre de um descaso autodestrutivo, vindo de gente que está mais preocupada em conquistar algo lá fora do que em preservar algo aqui dentro. Homens, em geral.

Não fere o meu lado masculino
É claro que existem homens que cuidam da casa. E mulheres que conquistam o mundo. É só olhar para qualquer Madonna Louise armada de um microfone ou qualquer dona Maria armada de uma direção de carro: as mulheres não são necessariamente um poço natural de bondade e abnegação.

Tem aquela frase do Mencken que diz que só existe uma coisa em que homens e mulheres concordam. Nenhum dos dois confia nas mulheres. A frase não é minha, mas eu também rejeito qualquer tipo de populismo sexual, qualquer demagogia de gênero. Homem que só fica elogiando o papel das mulheres no mundo está geralmente querendo jogá-las no mesmo lugar onde joga a toalha molhada.

O que defendo não é grande novidade: acho que falta energia feminina no mundo. Não só ao lado dos homens, mas também dentro deles. Correndo por fora desde os anos 60, a maioria das mulheres não teve medo de realizar seu lado masculino. Inclusive com certo exagero, às vezes. Mas o fato é que há pouca mulher mulherzinha hoje em dia. Enquanto isso, a maioria dos homens continua homenzinha demais.

O equilíbrio ambiental do planeta passa pelo balanço mais justo dessas energias vitais. O feminino, mesmo dentro de um menino, gosta de brincar de casinha, dentro da casinha. E o masculino, mesmo no coração de uma menina, gosta de brincar de construir e destruir casinhas.

Está faltando pulso feminino no mundo, enquanto há mundo. As mulheres ficaram mais homens. Os homens precisam ficar mais mulheres. Ficar mais mulher é coisa para macho.

*Carlos Nader, 41, ainda não jogou a toalha. Seu e-mail é: carlos_nader@hotmail.com

Fonte- Revista Trip

Divagações sobre a Normose…


Lendo uma entrevista do professor Hermógenes, 86 anos, considerado o fundador da ioga no Brasil, ouvi uma palavra inventada por ele que me pareceu muito procedente: ele disse que o ser humano está sofrendo de normose, a doença de ser normal. Todo mundo quer se encaixar num padrão.

Só que o padrão propagado não é exatamente fácil de alcançar. O sujeito “normal” é magro, alegre, belo, sociável, e bem-sucedido. Quem não se “normaliza” acaba adoecendo. A angústia de não ser o que os outros esperam de nós gera bulimias, depressões, síndromes do pânico e outras manifestações de não enquadramento. A pergunta a ser feita é: quem espera o que de nós?
Quem são esses ditadores de comportamento a quem estamos outorgando tanto poder sobre nossas vidas?

Eles não existem. Nenhum João, Zé ou Ana bate à sua porta exigindo que você seja assim ou assado. Quem nos exige é uma coletividade abstrata que ganha “presença” através de modelos de comportamento amplamente divulgados. Só que não existe lei que obrigue você a ser do mesmo jeito que todos, seja lá quem for todos. Melhor se preocupar em ser você mesmo.

A normose não é brincadeira. Ela estimula a inveja, a auto-depreciação e a ânsia de querer o que não se precisa. Você precisa de quantos pares de sapato? Comparecer em quantas festas por mês? Pesar quantos quilos até o verão chegar?

Não é necessário fazer curso de nada para aprender a se desapegar de exigências fictícias. Um pouco de auto-estima basta. Pense nas pessoas que você mais admira: não são as que seguem todas as regras , e sim aquelas que desenvolveram personalidade própria e arcaram com os riscos de viver uma vida a seu modo. Criaram o seu “normal” e jogaram fora a fórmula, não patentearam, não passaram adiante. O normal de cada um tem que ser original. Não adianta querer tomar para si as ilusões e desejos dos outros. É fraude. E uma vida fraudulenta faz sofrer demais.

Eu não sou filiada, seguidora, fiel, ou discípula de nenhuma religião ou crença, mas simpatizo cada vez mais com quem nos ajuda a remover obstáculos mentais e emocionais, e a viver de forma mais íntegra, simples e sincera.
Por isso divulgo o alerta: a normose está doutrinando erradamente muitos homens e mulheres que poderiam, se quisessem, ser bem mais autênticos e felizes.

Fonte: Usina de Letras

Meu Corpo é esse: Ponto final!

.
O culto ao corpo é uma das características mais marcantes da sociedade contemporânea, cresce dia a dia o número de cirurgias estéticas, as academias de ginástica são cada vez mais freqüentadas por mulheres de todas as idades, o corpo torna-se objeto de consumo, onde substanciosos investimentos fazem as pessoas estarem em constante busca da imagem ideal. Acho uma imposição cruel quando a mídia cria um padrão de beleza inviolável, onde quem não segue , torna-e e sente-se excluída [ Basta observar os vários casos de anorexia que a própria mídia nos mostra].
Temos que ser sempre magérrimas , louras, altas , olhos claros , bocão , peitão siliconizado e eternamente jovens.
Gente, nós somos brasileiras, temos uma miscigenação fantástica. Essa mistura resulta mulheres belíssimas. Temos que nos valorizar do jeito que somos : Baixinha, altinha, magrinha , cheinha, coxuda ,bunduda, sem bunda, peituda, despeitada, negra, morena, branca , japonesa, índia… ou outras características existentes.
Existem vários padrões de beleza e temos que saber valorizar o nosso , sempre cuidando da nossa alimentação , fazendo atividades físicas, cuidando da nossa pele e principalmente limpando a nossa mente para nos tornarmos melhor espiritualmente. Respeitando as diiferenças,automaticamente nos transformamos mais belas por dentro e por fora.
Acredito que o Brasil é o país que vende mais água oxigenada do mundo, e que faz mais chapinha , que toma mais inibidores de apetite……todo mundo quer ser loura , magra, cabelo” ultra ,super ,mega “ liso e todo mundo acaba ficando com a mesma cara[parecem mulheres em série…, tô fora!].
P.S. Com todas as conquistas alcançadas pelas mulheres, com a grande revolução dos costumes, o novo milênio ainda deixa transparecer muitos desequilíbrios na tão almejada igualdade de poderes entre homens e mulheres. Um deles diz respeito à imagem do corpo da mulher, que ainda é permeada por discriminações, pois atrás da aparência de independência da mulher, esconde-se sua submissão, dependência e inferioridade, visto que ao corpo da mulher é imbutido a obrigação de estar sempre belo e jovem.

Elisabete Cunha

FILOSOFICAMENTE NECESSÁRIO!

Tumblr_lqp0kf7nce1r1vglpo1_500_large

Posso citar aqui três causas como estopins desse pré-conceito sobre a filosofia. A primeira é o desconhecimento. Muitas pessoas desconhecem o que é realmente a filosofia e alguns nem sabem que ela existe. Partindo mais fundo, deve-se saber o porquê desse desconhecimento e analisando sabe-se que faz pouco tempo que a filosofia como estudo reaparece nas discussões para voltar a sala de aula, ela que esteve proibida pelos sistemas políticos por muito tempo foi sendo pouco difundida, estava quase que adormecida.

Aqui pode-se destacar que sendo ela tão importante para o pensar da sociedade, não deveria estar encoberta, porém devido a força que ela exerce nos pensares, e a liberdade que ela cria , além de pôr em duvida, incomoda muitos patrões e as principais autoridades da sociedade atual. Esta na hora de discutirmos, de difudi-las nas escolas na sociedade.

É claro que aqui quem deva conhecer não precisar necessariamente saber que para” Nietzsche, a primeira proposição filosófica foi aquela enunciada por Tales, a saber, que a água é o princípio de todas as coisas [Aristóteles. Metafísica, I, 3].” Mas é importante saber que pode pensar diferente e que a filosofia é muito mais do que simplesmente uma matéria de universidade ou de sala de aula. Ela é uma vida, mas uma vida bem analisada, bem vivida.

A segunda causadora desse preconceito é a mídia, que difunde esse pensar sobre a filosofia e impede que ela faça seu desenvolvimento. Diria que é a partir da mídia que hoje se vive, que se veste, às vezes até que sonha-se ou almeja algo, sendo ela tão importante, deveria ter um controle maior do que se é repassado para o público.

Sabendo dessa importância da mídia que divulga o senso comum, que “comanda” a sociedade, que cria nela um enraizamento de culturas, modificando conforme sua “moda”, faz-se necessário, ou deveria se cogitar que também a filosofia tivesse acesso a esse meio. Por mais que há alguns canais de televisão ou revistas filosóficas, faz-se necessário também um cuidado para a não manipulação da sociedade através do obrigar a pensar, o que acabaria por seguir no mesmo caminho que hoje perpassa na relação mídia-povo.

Mas como é mais importante o “povo” continuar calado e oprimido, para a terceira causa destaca-se o sistema, este sendo “financiado” pela mídia, prega sem parar a lógica do trabalho, não importando se o trabalhador pensa ou não, apenas mostrar resultado basta. Transforma-se homens em máquinas do trabalho, a filosofia continua no mundo do desconhecido, e o povo continua no mundo do lucro, do trabalho exagerado, da opressão, das classes sociais.

 Elisabete Cunha

Fonte-ADORNO, et ali, comentários e seleção de Luiz Costa Lima TEORIA DA CULTURA DE MASSA, São Paulo, editora paz e terra S/A, 2000

 

ATITUDE POSITIVA!

I believe that worrying about the problems plaguing our planet without taking steps to confront them is absolutely irrelevant. The only thing that changes this world is taking action.”

Jody Williams, nobel da paz em 1997

 O texto abaixo pertence à jornalista e escritora gaúcha Marta Medeiros. Achei bastante interessante a maneira como ela expõe a realidade social com a qual convivemos diariamente, expondo de maneira inteligente e usando de uma linguagem simples, porém muito convincente, as agruras que passamos na nossa sociedade. Do texto podemos fazer uma bela reflexão e tirarmos lições para reconceituar alguns paradigmas.

Vale a pena dar uma lida!

 

OS RICOS-POBRES

Anos atrás escrevi sobre um apresentador de televisão que ganhava um milhão de reais por mês e que em entrevista vangloriava-se de nunca ter lido um livro na vida. Classifiquei-o imediatamente como uma pessoa pobre.
Agora leio uma declaração do publicitário Washington Olivetto em que ele fala sobre isso de forma exemplar. Ele diz que há no mundo os ricos-ricos (que têm dinheiro e têm cultura), os pobres-ricos (que não têm dinheiro, mas são agitadores intelectuais, possuem antenas que captam boas e novas idéias) e os ricos-pobres, que são a pior espécie: têm dinheiro, mas não gastam um único tostão da sua fortuna em livrarias, museus ou galerias de arte, apenas torram em futilidades e propagam a ignorância e a grosseria.
Os ricos-ricos movimentam a economia gastando em cultura, educação e viagens, e com isso propagam o que conhecem e divulgam bons hábitos. Os pobres-ricos não têm saldo invejável no banco, mas são criativos, efervescentes, abertos. A riqueza destes dois grupos está na qualidade da informação que possuem, na sua curiosidade, na inteligência que cultivam e passam adiante. São estes dois grupos que fazem com que uma nação se desenvolva. Infelizmente, são os dois grupos menos representativos da sociedade brasileira. O que temos aqui, em maior número, é o grupo que Olivetto não mencionou, os pobres-pobres, que devido ao baixíssimo poder aquisitivo e quase inexistente acesso à cultura, infelizmente não ganham, não gastam, não aprendem e não ensinam: ficam à margem, feito zumbis.
E temos os ricos-pobres, que têm o bolso cheio e poderiam ajudar a fazer deste país um lugar que mereça ser chamado de civilizado, mas que nada: eles só propagam atraso, só propagam arrogância, só propagam sua pobreza de espírito.
Exemplos?
Vou começar por uma cena que testemunhei semana passada. Estava dirigindo quando o sinal fechou. Parei atrás de um Audi preto do ano. Carrão. Dentro, um sujeito de terno e gravata que, cheio de si, não teve dúvida: abriu o vidro automático, amassou uma embalagem de cigarro vazia e a jogou pela janela no meio da rua, como se o asfalto fosse uma lixeira pública.
O Audi é só um disfarce que ele pôde comprar, no fundo é um pobretão que só tem a oferecer sua miséria existencial. Os ricos-pobres não têm verniz, não têm sensibilidade, não têm alcance para ir além do óbvio. Só tem dinheiro. Os ricos-pobres pedem no restaurante o vinho mais caro e tratam o garçom com desdém, vestem-se de Prada e sentam com as pernas abertas, viajam para Paris e não sabem quem foi Degas ou Monet, possuem tevês de plasma em todos os aposentos da casa e só assistem a programas de auditório, mandam o filho pra Disney e nunca foram a uma reunião da escola. E, claro, dirigem um Audi e jogam lixo pela janela. Uma esmolinha pra eles, pelo amor de Deus.
O Brasil tem saída se deixar de ser preconceituoso com os rico-ricos (que ganham dinheiro honestamente e sabem que ele serve não só para proporcionar conforto, mas também para promover o conhecimento) e se valorizar os pobres-ricos, que são aqueles inúmeros indivíduos que fazem malabarismo para sobreviver, mas, por outro lado, são interessados em teatro, música, cinema, literatura, moda, esportes, gastronomia, tecnologia e, principalmente, interessados nos outros seres humanos, fazendo da sua cidade um lugar desafiante e empolgante.

É este o luxo de que precisamos, porque luxo é ter recursos para melhorar o mundo que nos coube, e recurso não é só money: é atitude e informação.

Marta Medeiros