Arquivo de Tag | SENTIMENTOS

Sobre a Perversidade by Marla de Queiroz

.

O perigo da perversidade é que ela é muito sútil. Um ser perverso jamais te atacará diretamente. Ele vai saborear cada silêncio calculado para despertar sua agonia. Ele vai tentar tolher seus lugares íntimos até que não reste qualquer espaço para manobras. Ele vai te seduzir da maneira mais irresistível e depois te tratar com um descaso inexplicável, como se algo de errado tivesse acontecido, mas sem te dar quaisquer indícios do que possa ter acontecido.

Ele será carismático com os outros, prestativo, mas demonstrará impaciência em responder à sua mais simples pergunta. Ele vai oscilar entre o tesão e a indiferença. Você se sentirá desejada quando o sufoco tiver tomado toda a sua alma e, totalmente desamparada quando o desejo demonstrado parecer esvaído nos primeiros suspiros da manhã. E o dia seguinte se tornará um longo e agonizante ano.

Ele parecerá espirituoso, depois irônico, mas estará sendo absurdamente crítico e sarcástico. E te deixará tão confusa que você, por momentos, não saberá identificar a crueldade que há neste tipo de comportamento. Os perversos são viciados em jogos de poder e controle. Não sabem o porquê. Simplesmente precisam tentar te destituir da sua autoconfiança e autoestima até que você se torne refém, dependente, à beira do desespero.

É muito difícil identificar um ser perverso e, depois se livrar dele. Ele te tratará com uma bipolaridade emocional absoluta. E quando tudo parecer perdido, quando você tiver decidido de maneira explícita sua escolha por um afastamento ou desligamento da relação, ele te rondará da maneira mais amorosa possível tentando te convencer que a falta de sintonia anterior era um problema seu. O perigo da perversidade é porque ela é muito sutil.

E o único antídoto para se curar de uma relação doentia como esta é reunir toda a coragem que você jamais imaginou ter e partir com toda a convicção de que você não precisa continuar neste campo minado. Você pode escolher um lugar de paz. Você pode não ser presa de um predador voraz. Você não precisa se vestir de sangue para alimentar estes vampiros. Esteja atenta. O perverso sempre parecerá um ser inofensivo e carismático. Com os outros. Apenas com os outros. E isto te deixará com uma imensa vontade de conquistar aquilo que ele fará questão de demonstrar que não está disponível para você. 

Anúncios

Quando a saudade localiza o sujeito na gente by Marla de Queiroz


.

Onde a saudade localiza o sujeito na gente? No coração, na mente, no corpo ou nesse conjunto todo que pulsa revirando o baú de adeuses que, talvez, quem sabe, quisessem dizer outra coisa? Pois insiste em nós essa impregnação na lembrança, mas o sentimento ocupa muito mais que a memória.

Onde a saudade localiza o sujeito na gente se os olhares já nem se veem mais e as peles só exalam o perfume da distância? Se o tempo correu enchendo de poeira luas e mais luas deixando sonolentas e opacas as estrelas que brilhavam nas madrugadas incandescentes? Onde fica guardado o sujeito na gente?

Onde a saudade localiza na gente o sujeito inerte, mas animado, não sendo coisa ou algo, mas um ser vivinho, vivente? E um suspiro intenso estendido por dentro, o segredo que o olhar na busca incessante não ocultou? Se as fotos foram apagadas e os bilhetes queimados na fogueira dos livramentos, se até o cartão postal mudou para fechar um ciclo e inaugurar outro momento, onde se escondia esse sujeito? No peito? Na pele? Porque de tudo dele ainda, mesmo que em sonho, reacende a lembrança do beijo, abraço e do jeito. Onde a saudade localizou esse sujeito?

Se a febre que pensávamos medicada arde incessante, embora esporádica, e a noite mal dormida espreita o pesadelo: do riso, do choro, do cheiro, para qual direção foram os ventos que não o levaram por inteiro? Por que a saudade incute na gente esse desmantelo?

Onde a saudade localizou na gente este ser que parecia morto e ressuscitou tão certeiro?

 Marla de Queiroz

SOBRE ARREPENDIMENTOS – Marla de Queiroz

a321z

Como me arrependo do choro engolido, do elogio economizado, do insulto recebido sem me posicionar, da trepada sem afeto, do poema forçado, do colo que não pedi, do conselho que dei quando eu mal sabia de mim mesma, da ferida que causei por um motivo qualquer, da ferida que me fizeram e que não curei com o perdão.
Quantas palavras foram gastas para falar do silêncio. Quantos abraços foram aceitos impregnando o meu campo energético com um peso denso, e quantas vezes me protegi de uma carícia sincera. Quantas vezes suguei e fui sugada chamando isto de bondade. Quanto mais adequada eu tentava ser, mas eu me perdia do que eu era. E abafei minha loucura no peito comprimido para ser socialmente agradável. E escrevi coisas otimistas quando estava sofrendo de tanto medo. E ninguém sabia que aqui do outro lado eu estava chorando. E deixei que me julgassem sábia quando sou apenas mais uma buscadora tateando no escuro à procura da luz que pretendo beber a grandes goles.
Sou tão humana, Meu Deus! E no processo de lapidação, joguei fora algumas das minhas arestas, que talvez fossem o que eu tinha de mais valioso. Sou apenas alguém que escreve, que oscila, que anseia, que sofre, que ama, que acorda de madrugada pra pensar e tem inveja dos que dormem tão profundamente àquela hora. Não tenho nada que outra pessoa não possa desenvolver também. Não há limite que eu não possa superar. E se você me encontrar por aí, ou por aqui dizendo coisas e mais coisas, duvide de mim também. Sou apenas mais uma na multidão que, enquanto caminha, vai deixando pra trás certezas, adereços, endereços…
Sou apenas mais alguém que.

O homem apaixonado

rerere

Excelente texto da Lilian Maial, sobre o homem apaixonado.

**********

Se você conheceu um homem apaixonado, verdadeiramente apaixonado, você conheceu o que há de melhor nesse mundo.
É fácil e comum, nos dias de hoje, encontrar uma mulher apaixonada. As mulheres parecem ter sido feitas para a paixão (ao menos é o que nos dizem desde que nascemos). Mas homens, esses foram feitos para as batalhas sangrentas do dia a dia, para as dificuldades financeiras, para a luta pela sobrevivência, para o silêncio de sentimentos (assim pensa a nossa sociedade).
Os homens foram tão massacrados de responsabilidades e estigmas de carregar o mundo nas costas, que nem se deram conta de sua própria necessidade de amor e paixão. Fingem tão bem não ligar, reduzem o amor a conquistas, a disputas, a objetivos práticos a serem alcançados que, assim que atingem tal objetivo, o objeto passa a não exercer o mesmo fascínio.
Tudo bem, é por aí. Mas e quando Cupido decide flechar de verdade o coração masculino? Como reage esse coração, tão pouco acostumado a sofrer por amor, a manter alguém 24 horas por dia em seu pensamento?
Gente, é lindo! É tão lindo quanto ver uma criança dando seus primeiros passos, ou vendo um passarinho dar seu primeiro vôo, ou como namorados dando seu primeiro beijo.
Ele (o homem) é pego de surpresa e reage de forma surpreendente. Torna-se vulnerável, emotivo, passa a prestar atenção em letras de músicas, em flores, em poemas, em vitrines, em praças, em crianças. Ele passa subitamente a gostar de lojas, de receitas, de moda e perfumaria. Fica entendido em cremes e cheiros, em livros, em drinks. Passa a ser expert em assuntos exóticos. Acorda e dorme cantarolando. Isso tudo porque a amada tem seu mundo e é seu mundo.
O espelho passa a exercer atração. Geralmente muda o corte do cabelo, a barba e o bigode (tira, se tem, deixa crescer, se não tem). Fica vaidoso, sensível e bobinho. Adorável bobinho. Mas… esconde!
Ah, parece ser pecado se apaixonar!
Deve ser uma terrível gafe demonstrar sentimentos.
Aparentemente é condenável ser simplesmente humano.
Sabe aquela coisa do “lado feminino”? Balela. Não existe essa dicotomia. Todos temos de tudo dentro de nós. O poder, a beleza, o bem, o mal, o masculino e o feminino, o yin e o yang.
Mas esse homem apaixonado passa a ser exigente, a ter carências e vicissitudes. E se você souber manter essa chama acesa, souber lidar com esse homem enfeitiçado, será uma mulher abençoada, porque ele é capaz de tudo para ver você feliz.
Ah, esse homem não medirá esforços. Não haverá obstáculos capazes de detê-lo na empreitada da sua felicidade. Ele acordará com a força de um Hércules, a disposição de um atleta, a perseverança de um monge, e a fragilidade de uma criança.
Acolha-o. Sinta-o. Mime-o. Ame-o.
Deixe-o sentir seu amor fluir.
Alimente-o de afagos, de agrados, de elogios.
Mostre a ele a correspondência de sentimentos, mas não o prenda.
Deixe-o livre para escolher você, escolher estar com você, preferir você a qualquer coisa. Mas por vontade dele.
Creio que o erro de muitas mulheres é querer prender seu homem, controlar seus passos, cercá-lo não de afeto, mas de desconfiança.
O homem apaixonado é seu. Está apaixonado, encantado, tem um mundo novo e muitas das vezes não sabe lidar com ele.
Também fica inseguro, ciumento, quer agradar, quer inundá-la de carinhos, mas quer manter sua habitual liberdade.
E em nome desse novo amor, desse sentimento que o fragiliza tanto, talvez sufoque essa liberdade que sempre teve e que sempre foi-lhe ensinado assim. Mas isso, com o tempo, certamente o deixará limitado e cansado, levando a um desgaste no relacionamento.
Então, o que fazer?
Não há fórmulas. Não há receitas de bolo.
Há sim uma necessidade de entendimento, de espaço, de respeito mútuo.
Há que se lidar com a liberdade assim como se lida com a delicadeza da paixão.
Há que se estabelecer limites. O outro é o outro, você é você.
Não se pode amar ao outro se não se ama a si próprio.
O outro não é seu espelho e nem seu ideal e objetivo.
Nada de se anular em função do amor.
Essa é a diferença entre a mulher apaixonada e o homem apaixonado.
Ele não ama menos, não sente menos, não sofre menos por amor.
Apenas ele sempre teve sua individualidade. A sociedade o permitiu desde o início dos tempos, enquanto nós, mulheres, aos poucos vamos ganhando terreno na igualdade de direitos, inclusive o direito de se amar, o direito a seu espaço individual na relação a dois.
Sendo assim, ao dar de cara com um homem apaixonado, ao se apaixonar por ele, não abra mão de seu espaço, de sua individualidade, porque só assim poderá entender a postura dele e aproveitarão tudo o que a paixão e o amor correspondidos podem fornecer de forma sadia a ambos.
Curta seu homem, estrague-o de tanto amá-lo, e seja feliz!…

Os 5 maiores arrependimentos das pessoas em seus leitos de morte.

Por muitos anos eu trabalhei em cuidados paliativos. Meus pacientes eram aqueles que tinham ido para casa para morrer. Algumas experiências incrivelmente especiais foram compartilhadas. Eu estava com eles nos últimas três a doze semanas de suas vidas. As pessoas crescem muito quando eles são confrontados com a sua própria mortalidade.

Eu aprendi a nunca subestimar a capacidade de alguém para o seu crescimento. Algumas mudanças foram fenomenais. Cada um experimentou uma variedade de emoções, como esperado, negação, medo, raiva, remorso, mais negação e, finalmente, aceitação. Cada paciente encontrou sua paz antes deles partirem, cada um deles.

Quando questionados sobre algum arrependimento que tiveram ou qualquer coisa que faria diferente, temas comuns vieram à tona. Aqui estão os cinco mais comuns:

1. Eu gostaria de ter tido a coragem de viver uma vida verdadeira a mim mesmo, e não a vida que os outros esperavam de mim.
Este foi o arrependimento mais comum de todos. Quando as pessoas percebem que sua vida está quase no fim e olham para trás, é fácil ver como muitos sonhos não foram realizados. A maioria das pessoas não tinha honrado nem metade dos seus sonhos e morreram sabendo que foi devido às escolhas que fizeram, ou não fizeram.

É muito importante tentar e honrar pelo menos alguns de seus sonhos ao longo do caminho. A partir do momento que você perde a sua saúde, é tarde demais. Saúde traz uma liberdade que muitos poucos percebem, até que já não a tem.

2. Eu gostaria de não ter trabalhado tão duro.
Isto veio de cada paciente do sexo masculino que eu acompanhei. Eles perderam a juventude de seus filhos e o companheirismo dos parceiros. As mulheres também falaram sobre esse arrependimento. Mas, como a maioria era de uma geração mais velha, muitas das pacientes do sexo feminino não tinham sido as pessoas que sustentavam a casa. Todos os homens que acompanhei lamentaram profundamente gastar tanto de suas vidas na esteira de uma existência de trabalho.

Ao simplificar o seu estilo de vida e fazer escolhas conscientes ao longo do caminho, é possível não precisar da renda que você acha que precisa. E criando mais tempo livre em sua vida, você se torna mais feliz e mais aberto a novas oportunidades, aquelas mais adequados ao seu novo estilo de vida.

3. Eu gostaria de ter tido a coragem de expressar meus sentimentos.
Muitas pessoas suprimiram seus sentimentos a fim de manter a paz com os outros. Como resultado, eles se estabeleceram por uma existência medíocre e nunca se tornaram quem eram realmente capazes de se tornar. Muitos desenvolveram doenças relacionadas à amargura e ressentimento que carregavam, como resultado disso.

Nós não podemos controlar as reações dos outros. No entanto, embora as pessoas possam, inicialmente, reagir quando você mudar a maneira que você está falando com honestidade, no final isso erguerá a relação à um nível totalmente novo e saudável. Ou isso ou ele libera o relacionamento doentio de sua vida. De qualquer maneira, você ganha.

4. Eu gostaria de ter mantido contato com meus amigos.
Muitas vezes eles não percebem verdadeiramente os benefícios de velhos amigos até estarem em seu leito de morte, e nem sempre foi possível reencontrá-los nestes últimos momentos. Muitos haviam se tornado tão envolvido em suas próprias vidas que tinham deixado amizades de ouro escapar nos últimos anos. Havia muitos arrependimentos profundos sobre não dar às amizades, o tempo e esforço que mereciam. Todo mundo sente falta de seus amigos quando estão morrendo.

É comum à qualquer um com um estilo de vida agitado, deixar amizades escorregarem, mas quando você se depara com a sua morte se aproximando, os detalhes físicos da vida caem. As pessoas querem colocar suas finanças em ordem, se possível. Mas não é dinheiro ou status que tem a verdadeira importância para eles. Eles querem arrumar as coisas para o benefício daqueles à quem amam. Normalmente, porém, eles estão muito doentes e cansados de gerir esta tarefa. E tudo se resume ao amor e relacionamentos no final. Isso é tudo o que resta nas semanas finais, amor e relacionamentos.

5. Eu gostaria que eu tivesse me deixado ser feliz.
Este é surpreendentemente comum. Muitos não percebem, até o fim de que a felicidade é uma escolha. Eles haviam ficado presos em velhos padrões e hábitos. O chamado “conforto” da familiaridade transbordou em suas emoções, bem como as suas vidas físicas. O medo da mudança os fazia fingir para os outros e para si mesmos, que estavam satisfeitos. Quando lá no fundo, eles ansiavam em rir e serem bobos em sua vida novamente. Quando você está no seu leito de morte, o que os outros pensam de você é muito diferente do que está em sua mente. Como é maravilhoso ser capaz de relaxar e sorrir novamente, muito antes de você estar morrendo.

A vida é uma escolha. É a sua vida. Escolha conscientemente, escolha sabiamente, escolha honestamente. Escolha a felicidade.

Eu vi no http://worldobserveronline.com/

Tradução por: Blog Dancing With De.

 

Bronnie Ware

Bronnie Ware, enfermeira que durante anos cuidou de pacientes no leito de morte, escreveu o livro “The Top Five Regrets of the Dying – A Life Transformed by the Dearly Departing”, que, como o título diz, trata dos cinco arrependimentos mais comuns manifestados pelas pessoas antes de morrerem.

A Infelicidade Humana

“O mal estar na civilização” foi escrito em 1930 por Sigmund Freud, partindo do pressuposto que o indivíduo é um ser infeliz, e que esse mesmo indivíduo vive á mercê de uma infelicidade permanente. Freud especula que mesmo com o advento da ciência, religião e arte como artifício de sublimação do sofrimento, o homem não obteve o contentamento da felicidade. A nomenclatura felicidade pode ser analisada a partir da ideia moderna existente nela, sabemos que todo ser humano tem um ideal de felicidade, e que o homem se posiciona diante da busca por esse ideal. A felicidade é um conceito conhecido pelo senso comum, porém, analisando de maneira análoga, é um objeto muito mais complexo e – pelo viés de Freud – utópico.

De acordo com Freud, a felicidade nunca chega a nos pertencer, existe um desencontro brutal entre nossas aquisições e nossos desejos, ela passa por nós como flecha invisível, todavia, continuamos a pregar um possível estado de felicidade. A verdade é que nunca experimentados a felicidade em sua plenitude, e é essa ânsia natural do homem que nos transforma em um eterno caçador frustrado, que tenta a todo custo ser feliz.

tumblr_lxazadjxVY1qmifpro1_500.jpg

Freud se encarregou exaustivamente em analisar o tema, ele afirma que existem impulsos que levam o homem a buscar a felicidade, procurando constantemente sensações de prazer e, em contrapartida, evitando o desprazer. Exemplo moderno dessa necessidade de afastamento do desprazer é o intuito com que muitos vão em busca de análise, psicanalistas são procurados com a finalidade de aliviar dores, na expectativa de uma felicidade imediata e plena.

Freud diz que o ser humano vive em uma reta constante e infinita de busca pelo prazer, mas essa satisfação é impossível de ser realizada, gerando a partir disso uma série de descontentamentos. Usando como base as análises de Freud, podemos entender que existem dois tipos de busca pela felicidade: A ausência da dor e o sentimento de prazer propriamente dito. Freud enfatiza a felicidade momentânea, discorrendo sobre ela como se fosse o mais próximo da felicidade que podemos chegar, nas palavras de Freud: “O que se chama felicidade no sentido mais estrito resulta da satisfação bastante súbita de necessidades fortemente postas em êxtase e, por sua natureza, é possível somente como um fenômeno episódico”.

Sigmund-Freud-photo1.jpg

Freud também aponta os limites da cultura que estamos inseridos como sendo fortes geradores de infelicidade, ao passo que a exigência imposta pela civilização torna a meta pela felicidade algo impossível. A cultura exige do homem sacrifícios, causando assim o supracitado mal estar. Para manutenção da sociedade, nos é exigido acatar ordens e leis, a busca pelo gozo do prazer e o individualismo são colocados em segundo plano, nas palavras de Freud: “A liberdade individual não é um patrimônio da cultura”.

Na concepção freudiana, existe uma forte abdicação da vontade do homem, para viver de acordo com as normas e preceitos da sociedade, abrindo mão das suas pulsões de prazer. Freud diz que “O homem da cultura trocou uma parte de felicidade por uma parte de segurança”, ele se refere a repressão social frente a agressividade e sexualidade natural de todo ser humano, tornando, desta forma, o homem infeliz. “Posto que a cultura imponha tantos sacrifícios não somente à sexualidade, mas também à inclinação agressiva do ser humano, compreendemos melhor que os homens dificilmente se sintam felizes dentro dela”.

Podemos entender, analisando de maneira simplória os recortes freudianos, além dos nossos limites psíquicos que transformam a felicidade em uma meta impossível, existem os limites inibidores oriundos da cultura. A civilização exige do homem limpeza, ordem e beleza, o mal estar na civilização é uma condição inerente ao homem moderno. A ansiedade e a exigência de se adaptar aos valores sociais, cria o ser humano como um verdadeiro produtor de mal estar. Em linhas gerais, podemos resumidamente dizer que Freud destaca a cultura como limitadora da própria felicidade, proporcionando o principal sentimento de desprazer que habita no ser humano.

Texto de Fernanda Frota.

Esquizofrenia?

tumblr_m6nc16hUPc1qdwo7go1_500

Não existe resposta absoluta que explique a instalação da esquizofrenia. Diversos tipos de pesquisas entendem ser de ordem genética, outras tantas a observam como derivada de estresse emocional insuportável. Perturbações que podem acontecer em um momento único ou mesmo após séries de eventos de dificuldade máxima.

Assuntos relacionados à transgeracionalidade, segredos de família não revelados também constam como possíveis detonadores. A ideia é de que não existem segredos e que o nosso subconsciente percebe, computa e guarda muito mais informação do que nosso consciente. E o que por vezes suporta pode rachar ou mesmo quebrar.

Antes da instalação da conhecida esquizofrenia, ocorre a insuportável experiência da dissolução do eu, lugar onde gradativamente vai se perdendo os códigos que definem a realidade comum a todos. Seria como se as memórias pouco a pouco se dissolvessem ou perdessem o sentido, roubando o processo de passado, de continuidade e, por consequência, de proposta e de objetivos para o futuro. Este montante muitas vezes passa despercebido, o resultado, porém, sempre ocorre de modo desastroso.

O mais instigante confere ao porquê algum membro de uma família entra neste espectro de manifestação, enquanto nada acontece com os outros que passaram juntos pelas mesmas situações de vida. Certamente, nestes casos as variáveis são infinitas. O importante a saber sempre envolve onde reside o limite humano de cada um e que tipo de limite seria esse que quando quebra, avança em territórios inimagináveis de percepção, delírios, pensamentos intrusos. Tudo em aparente e absoluta desordem.

Se ampliarmos, porém, a nossa visão para além do usual, todos podemos reconhecer que temos algumas sensibilidades que navegam muito além da palavra falada. Estes dias, por exemplo, um paciente meu esteve numa situação social junto com pessoas que conhecera há pouco tempo e repentinamente sentiu que algo não ia bem, mesmo assim, em meio a essa sensação-intuição, ainda permaneceu no local, não levando a sério o seu incômodo. Mais um pouco, conta ter ouvido como que um sussurro em seu ouvido parecido com voz de seu avô recentemente falecido, avisando-o para ir embora do local onde fluía a conversa. Em mais 5 minutos, um bando de ladrões entram no local fazendo um assalto relâmpago.

A verdade é que quando estamos próximos de alguém, ou mesmo em algum ambiente, nossos campos de energia se misturam e se comunicam o tempo todo enviando mensagens ‘a nossa máquina cerebral. Às vezes, esses sinais são captados pela intuição ou por uma avaliação mais racional da pessoa. Entretanto, isso normalmente passa despercebido, embora esses pequenos sinais possam ser a evidência de acontecimentos maiores.

Outro paciente relatou que teve seu primeiro surto depois de fumar maconha apenas uma vez (isso ocorre muito mais do que se imagina). O fato seria que antes de fumar já havia um terror em relação ao tema, por parte do meu paciente; terror este que provavelmente deveria ser algum aviso real para que não tomasse a atitude que finalmente tomou.

O que surpreende também, diz respeito a pessoas que ao que tudo indica, não passaram por acontecimentos anteriores identificados como disparadores da esquizofrenia e aparentemente do nada passam a ter comportamentos diferentes, “saem da casinha”, como se diz por aí e muitos acabam por se encaixar dentro do diagnóstico.

A questão que fica é: se esse suposto dano neurológico não seria uma fresta, ou até uma porta escancarada para comunicações fora do consenso coletivo. Como se algo totalmente desmedido ocupasse lugar na mente e, como resultado, a leitura da realidade concreta ficasse praticamente impossível de se detectar.

Os que estão na vertente mais espiritual falam sobre as possessões espirituais. Sobre mediunidade desequilibrada. Sobre acesso desenfreado a outras lâminas de realidade. A pergunta que fica empata em: onde está a verdade?
E mais: o que fazer?

Numa visão mais holística, não poderíamos deixar de observar determinada questão optando por apenas uma percepção de verdade. Existe a matéria, mas sabemos que estamos e somos além da mesma. A moderna física quântica constantemente revela. Ampliar possibilidades sem tirar os pés do chão mostra ser excelente abertura para que verdades maiores possam ocupar espaço facilitando acesso e alterações profundas em nível de alma. E mesmo que o resultado nem sempre possa ser visto no concreto, certamente será sentido.

TEXTO DE :Silvia Malamud ::

– Art by Klimt