Arquivo de Tag | BELEZA

O apanhador de desperdícios

13164454_10206889018959635_5375239576115775049_n

 

Uso a palavra para compor meus silêncios.
Não gosto das palavras
fatigadas de informar.
Dou mais respeito
às que vivem de barriga no chão
tipo água pedra sapo.
Entendo bem o sotaque das águas
Dou respeito às coisas desimportantes
e aos seres desimportantes.
Prezo insetos mais que aviões.
Prezo a velocidade
das tartarugas mais que a dos mísseis.
Tenho em mim um atraso de nascença.
Eu fui aparelhado
para gostar de passarinhos.
Tenho abundância de ser feliz por isso.
Meu quintal é maior do que o mundo.
Sou um apanhador de desperdícios:
Amo os restos
como as boas moscas.
Queria que a minha voz tivesse um formato
de canto.
Porque eu não sou da informática:
eu sou da invencionática.
Só uso a palavra para compor meus silêncios.

MANOEL DE BARROS

Anúncios

Recôncavo Baiano

IMG_8811974460828

 

RESPOSTA aberta a um senhor que me chamou de petralha nordestina entre outras coisas. Um insulto como se nordestina fosse defeito ou desmerecimento.
Não sou filiada a nenhum partido, mas com certeza estarei do lado do injustiçado. Alguém que foi eleita verdadeiramente pelo voto do povo deve permanecer ate o final do mandato. Não sou Pt e não aprovo muita coisa .

Mas, a constituição deve ser respeitada. Não foi o nordeste que elegeu Dilma. Foi o Brasil caro amigo, sim, sou nordestina com o maior orgulho da alma. Eu sou nordestina, baiana e do recôncavo baiano. Sei de minha origem e sou fruto de gente corajosa e trabalhadora. Em Terra Nova – BA chegaram meus bisavós por parte de pai do Porto – Portugal pra tentar reconstruir e tentar sorte com armazém de secos e molhados na beira de uma Usina de Cana de Açúcar – ALIANÇA era o nome da usina. E eles venceram.
Pelo lado da minha mãe sou neta de uma mulher, culta, forte inteligente e poeta. Filha de um padre foi criada com a melhor educação que poderia ter na época. E meu bisavô padre assumiu a filha perante toda a sociedade e a deu carinho e educação.

Minha vó namorou anos com o caboclo belo e rude, administrador de usina através de cartas. quando ele se estabilizou foi buscar a minha vó e foram formar família , família grande parte de professores……Família que muito me orgulha…Fui criada na poesia , na verdade , na luta. E eles venceram. Não peçam de mim imparcialidade, indiferença e personalidade equilibrada e nula. Sou uma mistura de raças e isso me dá forças para reconstruir sempre!!!
Quando pequena adorava ver os raios e trovões riscando o céu.
O caos não me assusta… eu sempre venço ele.
Qual motivo estou escrevendo isto?
Um misto de orgulho de meus antepassados e esperança no meu futuro em um momento delicado , perigoso e incerto.
Um dia quando tiver netos quero que eles leiam este post.

EPAHEY OYÁ!

DADAÍSMO – O CABARET VOLTAIRE E O SEU TEMPO.

 

Tristan Tzara, Paul Éluard, André Breton, Hans Arp, Salvador Dalí,
Yves Tanguy, Max Ernst, René Crevel & Man Ray, 1933

“Dada não significa nada… A obra de arte não deve ser a beleza em si mesma, porque a beleza está morta… não sou nem a favor nem contra, e não vou explicar porque razão odeio o bom-senso…”
” (Tristan Tzara).
Em 1914, quando começou a Primeira Guerra Mundial, o alemão Hugo Ball (1886-1927) mudou-se para a Suíça, que permaneceria como um país neutro, junto com sua companheira, também alemã, Emmy Hennings ( 1885-1948). Em Zurique, uma urbe cosmopolita, fundaram o Cabaret Voltaire, na Spielgasse, nº 1 (onde existe ainda hoje) . O nome do recinto evocava o filósofo francês François Voltaire (1694-1778) ele próprio, em sua época, considerado um intelectual iconoclasta e revolucionário. Os espetáculos no clube se caracterizavam pelo seu non sense e rebeldia, e o ambiente, pelo barulho incessante.

 


Cabaret Voltaire, Zurique, 1916

 

O nome Dada, escolhido para o movimento, não tinha o menor significado ou importância para seus próprios integrantes. A última coisa que desejavam é que tivesse conotação como alguma acepção de racionalidade. Teria sido encontrado numa escolha aleatória, abrindo ao acaso um dicionário francês, onde encontraram a palavra, que designava um “cavalo de brinquedo”. Ao mesmo tempo, dada se assemelhava a um balbuciar de nenê, portanto algo sem sentido próprio.


Revista Dada, 1917-18

Hugo nasceu em Pirmasens, pequena cidade alemã da Renânia e, ainda jovem, já era diretor de teatro em Munique, no Munich Chamber Theater, além de colaborador numa revista intitulada Revolution. Recusou cumprir seu serviço militar no exército alemão e tornou-se desertor. Era um personagem inovador e contestatário, tendo “inventado” poemas constituídos apenas por sons, simples fonemas, flatus vocis, que não representavam palavras coerentes, nem conceitos, mas apenas efeitos acústicos, como Gadji Beri Bimba.

Abaixo, os primeiros versos do poema “sonoro” Gadji beri bimba , de Hugo Ball. Não esquecer que em Zurique o idioma é o alemão – se é que isso importava aos dadaístas.

“gadji beri bimba glandridi laula lonni cadori
gadjama gramma berida bimbala glandri galassassa laulitalomini
gadji beri bin blassa glassala laula lonni cadorsu sassala bim
gadjama tuffm i zimzalla binban gligla wowolimai bin beri ban”

Hugo era um show man, e de fato seriam necessárias algumas décadas para que os ambientes artísticos, a partir de 1960, aceitassem este tipo de performance como forma de arte. Não por acaso, quando publicou excertos de seu diário do período dadaísta, Hugo os intitulou Flucht aus der Zeit (Fuga do Tempo). O Cabaret Voltaire liderou o movimento dadaísta suíço até 1917, e ali confraternizaram artistas como Hans Arp franco-alemão, 1886-1966); Marcel Janco (húngaro, 1895-1984); e Tristan Tzara (romeno, 1896-1963).

Emmy também era oriunda de uma pequena cidade alemã, e iniciava uma carreira de escritora quando conheceu o futuro marido em 1913, no Cabaret Simplizissimus, de Munique, onde se apresentava como artista profissional de cabaret, partindo depois junto com ele para Berlim e, mais tarde, para Zurique.  


Hugo Ball em performance, representando o mágico Bischof em roupas cubistas,
Zurique, 1916, foto do arquivo Nachlass Hugo Ball und Emmy
Hennings Schweizerisches Literaturarchiv, de Berna

 


Tristan Tzara

 


Raoul Hausmann, Cabeça Mecâmica – O Espírito do nosso Tempo
(Der Geist unserer Zeit), Berlim 1919.

 


Johnson contra Cravan, poster anunciando de luta de box,Barcelona, 1916.

 

Tristan Tzara (1896-1963), na verdade Samy Rosenstock, um romeno de origem judaica, um dos fundadores do Cabaret Voltaire, era poeta e ensaísta. Seu pseudônimo significava, em tradução livre, “Terra Triste”. Em 1917, quando Hugo Ball saiu de Zurique, ele assumiu o comando dos dadaístas. Como muitos intelectuais da época, engajou-se no comunismo e na resistência ao nazismo, enquanto produzia ensaios e poemas.

Marcel Janco (húngaro, 1895-1984), também de origem judaica, era poeta e pintor, tendo inclusive ilustrado poemas de Tzara. Fugindo à perseguição nazista, em 1941 foi para Israel (morreu em Tel Aviv), onde continuou sua carreira literária, realizando poemas fonéticos, à maneira de Ball.

Hans Peter Wilhelm Arp (1866-1966) entre os dadaístas foi aquele que deixou obra artística visual mais expressiva. Praticou a pintura, escultura, colagens e relevos. Nascido em Estrasburgo, na Alsácia, quando a região fazia parte da Alemanha, era filho de pai alemão e mãe francesa. Em 1915, desertando do exército alemão, foi viver em Zurique (em 1926 acabaria por optar nacionalidade da mãe). Sua personalidade criativa o levou a participar, além do dadaísmo, em movimentos como o grupo Cobra e o surrealismo, tendo adquirido, como artista, notoriedade internacional e sucesso comercial.

***

Em Berlim, antes de se refugiar na Suíça, o casal Hugo-Emmy frequentava o Café des Westens, que fervilhava de ideias e espírito revolucionário. Naquele ano (1914) os “vermelhos” Rosa Luxemburgo (1871-1919) e seu companheiro Karl Liebknecht (1871-1919) fundaram na Alemanha a Liga Espártaco (alusão ao líder escravo que chefiou revoltas contra o Império Romano) e, em 1918, o jornal Die Rote Fahne (A Bandeira Vermelha). Os dois morreram assassinados pelos nazistas, junto com centenas de seus seguidores, sem jamais terem sido julgados. Este ambiente social explosivo, explica o exacerbamento político dos dadaístas. Zurique encontrava-se no epicentro de um conflito bélico global de proporções até então nunca vistas, nem imaginadas.

***

Por outro lado, aproximava-se a Revolução Russa de 1917, enquanto o czarismo derrocava, afundando em seus erros e crimes. Na época, o mais importante líder comunista russo, Lenin, seguia um périplo no seu exílio, chegando à Suíça em 1914, primeiro a Berna e depois mudando-se para Zurique. E foi nesta cidade que Lenin, dois anos depois, escreveu Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo, um dos textos que serviram de base à orientação dos marxistas de todo o mundo. Zurique, na Suíça, era um refúgio para os revolucionários, assim como Munique, na Alemanha, se tornaria, na década de 1920, o olho do furacão nazista. Em 1917 diversos movimentos pacifistas explodiram na Alemanha.

***

Mais tarde, Hans Arp, um dos artistas que aderiu ao movimento, escreveu: “… revoltados com a carnificina da Primeira Guerra, permanecemos em Zurique, nos dedicando (somente) às artes. Enquanto as armas rugiam ao longe, nós cantamos, pintamos, fizemos colagens, escrevemos poemas com todas as nossas energias.”

***

Um dos escritores que reproduziu esse cenário de chumbo foi Franz Kafka (1883-1924), judeu nascido em Praga, mas que escrevia em alemão. Em 1915 publicou Metamorfose uma novela densa e enigmática sobre um homem comum, que um dia acorda transformado em um inseto nojento.
Se revivermos o momento histórico em que aconteceu o dadaísmo, suas propostas não parecem pueris. As guerras e seu cortejo de infâmias, num continente dilacerado sistematicamente por conflitos intermináveis, não apareciam aos olhos dos artistas como algo sensato, mas completamente ilógico, uma ignomínia sem explicação. Os dadaístas esperavam que a sociedade ousasse se mirar num espelho, para sentir todo o absurdo da situação. Ou seja: o dadaísmo, quando comparado à brutal realidade, parecia um divertimento inocente.

***

Em 1915, três artistas declaradamente dadaístas rumaram para Nova York, onde pretendiam estabelecer-se profissionalmente: Man Ray (na verdade Emanuel Rudzistsky, norte-americano, fotógrafo e pintor, 1890-1976); Francis Picabia (francês, pintor e poeta, 1879-1953); e Marcel Duchamp (francês, artista e teórico, 1887-1968). Fundaram a revista 291, porém, não obtendo notoriedade, acabaram voltando para a Europa.


Marcel Duchamp, Fonte, foto de Alfred Stieglitz em Nova York, 1917.

 

 


Man Ray, Solarização, foto, 1929

 

 

 


Man Ray, Mulher desenhando, 1912

 

 


Francis Picabia, Lu-Li, 1947

 

Na Alemanha, antes mesmo da Primeira Guerra terminar, em 1918, o dadaísmo  chegou a Colônia, Hanover e Berlim, contando-se entre eles o mencionado Hans Arp, Marx Ernst (alemão, pintor, escultor, um dos artistas mais influentes da primeira metade do século 20, 1891-1976), mais Kurt Schwitters (alemão, pintor, escultor e poeta, (1887-1948).

 


Hans Arp, Bigodes, circa 1925, Tate Gallery, Londres

 

 


Merzbau, Kurt Schwitters, Hannover 1923

 

 


Max Ernst, Uma maneira de ser (também) pode ser arte, 1919

 

A partir de 1919, o dadaísmo se fixou definitivamente em Paris, tendo como corifeus o citado Tristan Tzara, além de Francis Picabia, Man Ray e André Breton (francês, escritor, poeta, teórico do surrealismo, 1896-1966).

O Brasil, como os Estados Unidos, não experimentava as convulsões sociais da Europa. As condições objetivas para o surgimento e a expansão do dadaísmo eram quase inexistentes. Mesmo assim, alguma repercussão teve o movimento no país.

No Brasil, uma performance que lembra o espírito dadaísta foi realizada, em outubro de 1956, pelo artista Flávio de Carvalho (1899-1973) que passeou pelo centro de São Paulo vestindo o seu New Look, na verdade um traje supostamente adequado ao calor, que incluía uma blusa com mangas curtas, saiote, chapéu e sandálias. O poeta Manuel Bandeira e o pintor Ismael Nery, em alguns momentos, igualmente foram influenciados pelo dadaísmo. Mário de Andrade, autor de Paulicéia Desvairada, ali incluiu um poema que exprime a aversão à sociedade estabelecida: “… Eu insulto o burgês! O burguês-níquel, / o burguês-burguês! A digestão bem feita de São Paulo! …”

 


Flávio de Carvalho e seu New Look, 1956

Apesar do dadaísmo não ter, praticamente, sobrevivido à Primeira Guerra, algumas de suas teses contaminaram o expressionismo (inclusive o expressionismo Abstrato), o surrealismo, a arte conceitual e a Pop Arte.

CARACTERÍSTICAS DO MOVIMENTO

Será possível determinar algumas “características”, ou chamar o dadaísmo de “movimento” , quando seus seguidores  exorcizavam quaisquer atributos para classificar suas próprias ações? Porque sua única regra era: não observar regras.

Em suas apresentações, os dadaístas tratavam, em primeiro lugar, de provocar reações negativas ou de repulsa, entre os circunstantes. Nas suas obras havia traços que provinham de outros movimentos artísticos, como o expressionismo, o cubismo e o futurismo, mas esta herança não devia interferir com as violentas mensagens dadaístas. Mais tarde, alguns artistas dada aderiram ao surrealismo, que lhes pareceu bem mais consistente sob o ponto de vista estético. No Cabaret Voltaire, as manifestações não eram adocicadas como caprichos intelectuais, antes reações barulhentas  e raivosas. Ao ponto de os próprios seguidores aceitarem que uma hipótese viável para o futuro do movimento seria a sua autodestruição.

Pode também notar-se no dadaísmo a influência do niilismo do filósofo alemão Friedrich Wilhelm Nietzsche (1884-1900). Este defendia que o ser humano, tendo chegado à conclusão que o cristianismo era um conjunto de falsidades, passaria a manter uma desconfiança total em relação a todos os valores, concluindo que nada que o cerca tem sentido, nem na sua vida pessoal, nem sob os pontos de vista religioso ou metafísico (décadas mais tarde, o movimento filosófico existencialismo voltaria a estas teses, com pessimismo semelhante).

Também não havia limites ou preferências por qualquer forma de arte, fosse pintura, tecelagem, arte em vidro, música, poesia “sonora”, fotomontagens, teatro, ou objetos prontos (ready made).

O artista francês Marcel Duchamp (1887-1968) trouxe para o dadaísmo o objet trouvé, ou tout fait (do francês: objeto encontrado por acaso – rótulos de garrafas, tíquetes de metro ou de ônibus, produtos industriais sem serem modificados, embalagens de bebidas, coisas achadas em latas de lixo)  o qual poderia se incorporar à obra de arte, mesmo sem qualquer interferência do artista no seu aspecto visual. Em inglês este objeto se designa como produto ready-made.

 


Marcel Duchamp jogando xadrez, um de seus passatempos favoritos

 


Marcel Duchamp, readymade, porta-garrafas

 


Marcel. Duchamp, ready made, Roda de bicicleta

 


Marcel Duchamp, Gioconda. Em 1919, o artista colocou um bigode
sobre uma reprodução barata do célebre quadro de Da Vinci, com a inscrição LHOOQ.
Soletrando em francês, estas letras se pronunciam como “elle a chaud au cul”
(que, em tradução livre, quer dizer: ela tem fogo no rabo).
Esta apropriação vulgar da obra de um clássico permaneceu
como um símbolo da iconoclastia dos dadaístas.

 

***

Escreveu Tristan Tzara “… Eu redijo um manifesto e não quero nada… sou, por princípio, contra manifestos … redijo este manifesto para mostrar que é possível fazer as ações opostas simultaneamente, num único sopro… sou contra a ação pela contínua contradição, pela afirmação também, eu não sou nem a favor nem contra e não vou explicar porque razão odeio o bom-senso…”

ARTES VISUAIS NA ÉPOCA DO DADAÍSMO
Como era o ambiente das artes visuais na época do dadaísmo? Que escolas, ou movimentos, aconteciam naquele período? Continuavam as escolas tradicionais, como o romantismo, o classicismo, o academicismo e o impressionismo, todos eles encarados com desdém pelos vanguardistas, que se alinhavam à margem do figurativismo tradicional. Os principais movimentos contestatários eram:

 

EXPRESSIONISMO. Na cidade alemã de Dresden, em 1905, tinha surgido uma facção de artistas que se congregavam em torno de propostas vanguardistas. Seu grupo se chamava Die Brücke (A Ponte). Entre os nomes que ficaram: Erich Heckel (1883-1970), Emil Nolde (1867-1956) e Ernst Kirchner (1880-1938).
Este núcleo inicial deu origem a um movimento mais amplo e o expressionismo se espalhou pela Europa e Américas.  “… Seus integrantes não se conformavam com o fato de, naquele tempo conturbado e violento, os artistas continuarem a pintar à maneira ‘agradável’ das décadas anteriores (classicismo, romantismo, impressionismo, pontilhismo, art nouveau). Procuravam refletir as emoções, a revolta interior e denunciar a violência social. Usavam cores fortes, recusavam a verosimilhança da obra de arte com seu objeto, a luz aprazível das obras de escolas anteriores. A arte seria ação, não contemplação; deveria ser uma projeção da mente do artista para fora, não assimilação plácida do mundo real. Utilizavam pinceladas grossas e vigorosas, exercendo a crítica social com suas figuras deformadas… ” Foram figuras dominantes do expressionismo: o pintor norueguês Edvard Munch (1863-1944); os franceses Georges Rouault (1871-1958), Henri Matisse (1869-1954) e André Derain (1880-1954); e o austríaco Oskar Kokoschka (1886-1980).

 

CUBISMO.  Foi iniciado em Paris, com as contribuições de Georges Braque (1882-1963) e Pablo Picasso (1881-1973) os quais, por sua vez, se inspiravam em Paul Cézanne (1839-1906). Entre os críticos convencionou-se que o marco inicial da escola seria o quadro de Picasso Les demoiselles d’ Avignon (As moças de Avignon) pintado em 1907. Neste período inicial houve igualmente a contribuição de vanguardistas russos, alguns fazendo parte do chamado cubofuturismo. O cubismo sugeria a substituição do espaço tridimensional (e a perspectiva, que dominava a pintura ocidental, sobretudo desde a tradição do renascimento) por formas geométricas unidimensionais e pelo emprego das cores, numa paleta limitada de cinzentos e marrons. O objeto seria passível de ser representado em várias imagens espaciais simultâneas. Por exemplo, o retrato de uma pessoa poderia apresentá-la de frente e de perfil, no mesmo quadro.

 

FUTURISMO. Em Milão, Itália, o poeta italiano Fillipo Tommaso Marinetti (1876-1944) lançou em 1909 seu Manifesto Futurista. Segundo este libelo, a arte deveria libertar-se do passado e assumir o papel que lhe caberia perante o novo mundo industrial. Em vez da contemplação teria que cultuar a velocidade, a violência, as máquinas: “… Declaramos que o esplendor do mundo foi enriquecido com uma nova forma de beleza, a beleza da velocidade. Glorificamos a guerra – a única verdadeira higiene do mundo – o militarismo, o patriotismo … destruiremos museus, bibliotecas e lutaremos contra o moralismo, feminismo e todas as formas de covardia utilitária…”

 

SURREALISMO. Devem-se assinalar algumas raízes comuns com o dadaísmo. Como data aceitável para o início do surrealismo pode indicar-se 1919, quando o artista alemão Max Ernst (1891-1976) participou de uma exposição em Colônia, Alemanha. Seus trabalhos faziam parte da mostra Novas Tendências, da qual participavam dadaístas. Entre as obras havia instalações, tendo esculturas com fios, colagens, objetos encontrados ao acaso e apetrechos científicos. Logo após esta mostra,Breton escreveu a Ernst e desta sua colaboração iriam brotar as primeiras manifestações surrealistas. Em 1920, as colagens exibidas em Colônia provocaram o espanto de intelectuais como Tristan Tzara e o poeta francês Louis Aragon (1897-1982). Em relação aos dadaístas, os surrealistas haviam absorvido mais informações sobre a mente humana, sobretudo pela difusão das teorias psicanalíticas de Freud, o que proporcionou ao movimento surrealista mais densidade e consistência intelectual do que se verificava no dadaísmo.

 


Max Ernst, Édipo Rei, 1922. Influência surrealista

 

BAUHAUS. Em 1920, poucos anos depois do Cabaret Voltaire, em Weimar, cidade alemã  na contramão de todos estes movimentos, anteriormente citados,  com posturas pessimistas, surgiu o Bauhaus, uma espécie de Secretaria de Estado para a Construção, originariamente dirigida por Walter Adolf Gropius (1883-1969). 

O Bauhaus advogava papel mais importante para a arquitetura e o design, perseguindo a máxima economia de materiais, atendendo às finalidades práticas do fazer artístico. Não era uma proposta somente estética, mas social e política, pois o convívio teve um efeito didático, mesclando cérebros criadores com ofícios manuais.

Em 1925, Gropius projetou uma escola em outra cidade germânica, Dassau, na qual continuou a mostrar o respeito e atenção por cada material, sempre cuidando de baratear os custos das construções e do mobiliário. Com este ponto de vista, passaram a desenhar-se e a fabricar-se, em escala industrial, cadeiras, mesas, instalações tubulares, atividades em que se destacaram Mies van der Rohe (1866-1969) e artistas de vanguarda atraídos pelas propostas. Nomes que ficariam para a posteridade, como Paul Klee (1897-1940), Wassily Kandinsky (1866-1944) e Moholy-Nagy (1895-1946), ensinaram na Bauhaus. Le Corbusier (Édouard Jeanneret-Gris, dito 1887-1965) foi um dos talentos que estabeleceu contato importante com os inovadores. Além disso, o Bauhaus teve contribuição inestimável para a segunda fase do Art Déco.

Em 1928, Gropius foi substituído na direção até que, após pressão dos nazistas, finalmente a escola foi fechada, em 1933. A diáspora levou alguns de seus artistas para os EUA, inclusive Gropius.

ARMORY SHOW. Pode ser considerada a primeira grande exposição de arte moderna em qualquer parte do mundo. Foi realizada em Nova York em fevereiro e março de 1913, dela participando importantes artistas europeus, como Paul Gauguin (1848-1903), Pablo Picasso (1881-1973) e Marcel Duchamp (1887-1968). Mostraram-se mais de mil obras de diversas tendências, que iam do impressionismo às (então recentes) experiências abstratizantes. O nome da exposição (Armory, arsenal de armas), organizada pela Associação dos Pintores e Escultores Americanos, advém do fato de ter sido realizada nas dependências de um antigo regimento militar. Teve grande importância para a arte norte-americana, pois a colocou em contato com as vanguardas europeias.

 

Fontes

Em português

Chilvers, Ian, Dicionário Oxford de Arte, tradução de Marcelo Brandão Cipolla. Martins Fontes, São Paulo, 1996.

Dempsey, Amy, Estilos, escolas e movimentos, tradução de Carlos Eugênio Marcondes de Moura, Cosac & Naify, São Paulo, 2003.

Richter, Hans, Dadá: arte e antiarte. Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1993.

http://dododadaismo.blogspot.com.br/p/dadaismo-no-brasil.html
http://www.netsaber.com.br/resumos/ver_resumo_c_795.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Dada%C3%ADsmo
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/dadaismo/dadaismo-1.php

Em francês

http://www.le-dadaisme.com/

Em inglês

http://www.writing.upenn.edu/~afilreis/88/dada-def.html
http://www.theartstory.org/movement-performance-art.htm

Em espanhol

http://www.arteespana.com/dadaismo.htm

 

Vista-se bem e valorize seus pontos fortes

Ser elegante não é, nem de longe, uma missão impossível: com cuidados simples, dá pra ficar Linda e chique sem muito esforço!

1. Descubra seu tipo físico
Esse é o passo mais importante para se vestir bem. Tire as medidas e confira seu tipo de corpo:

-Retângulo – Ombros, cintura e quadris têm as mesmas medidas.

-Ampulheta – Busto e quadril da mesma medida e cinturinha mais fina.

-Triângulo invertido – Ombros são mais largos do que os quadris e as coxas.

– Oval – A cintura, os ombros, as costas e o peito são maiores que os quadris e as coxas.

-Triângulo(pera na imagem abaixo) – Nesse tipo físico, os quadris são bem largos e os ombros são estreitos.

2. Valorize seus pontos fortes
Qual é a parte mais bonita do seu corpo? Descubra e chame atenção para essa região. Se você adora suas pernas, por exemplo, aposte nas saias. Assim, você tira a atenção dos lugares de que gosta menos.

3. Não mostre demais a sua pele!
Usar um superdecote com uma minissaia até destaca todos seus atributos, mas fica vulgar. Se seu objetivo é ficar sensual, deixe apenas uma região à mostra e use um belo salto alto. É mais que suficiente!

4. Reconheça sua idade
O que vestimos aos 15 anos dificilmente continuará legal no corpo quando chegarmos aos 30. A partir dessa idade, é preciso redobrar a atenção: roupas com cortes mais estruturados ficam melhor, porque não destacam defeitinhos como celulite, culote e barriga.

5. Enxugue as medidas
A maneira mais fácil de fazer isso é usar roupas escuras. Mas nada de fazer o look preto total, que deixa a imagem muito pesada! Incremente a produção com uma bela bolsa ou com acessórios coloridos e alegres.

6. Vista seu número
Se você usa roupas maiores que seu tamanho, só para poder esconder as gordurinhas, está cometendo um crime contra si. O mesmo serve para quem veste jeans apertado: destaca justamente o que não deveria.

7. Descubra o poder dos decotes
Os decotes em V e U são perfeitos para quem tem busto grande. Já os do tipo canoa e tomara-que-caia aumentam o tamanho dos ombros e são ótimos para quem tem ombros muito estreitos.

8. Aposte nos acessórios
Eles levantam qualquer modelito e desviam a atenção dos seus defeitinhos. Atente para as combinações – não dá para usar brinco hippie com colar de pérola. Evite pôr tudo: brinco, pulseira, colar, anel, tornozeleira… Você não é uma vitrine!

9. Deixe a calça tocar no peito do pé
Sabe por quê? Quando encosta em cima do pé, a calça alonga a silhueta. Isso dá a impressão de que você é mais magra. A barra deve parar no meio do salto. Se for usar uma sapatilha ou um sapato baixinho, dobre um pouquinho a calça, para que a barra não fique arrastando no chão.

10. Cuidado com pregas e volumes
Eles podem aumentar ainda mais suas medidas. Por isso, tome cuidado na hora de usá-los. Coloque pregas e volumes apenas se quiser valorizar a região onde eles vão ficar. Uma boa ideia é usar uma saia balonê quando você é reta e não tem bumbum. O efeito é chique e imediato!

11. Escolha estampas pequenas
Quer usar estampas? Aposte nas pequenas. As grandes aumentam as medidas e, na maior parte das vezes, só ficam bem em sofás e cortinas.

12. Tenha peças curingas
Sempre tenha no guarda-roupa: vestido preto, terninho de cor neutra, casaquinhos de meia-estação, camisas brancas, sapato fechado de salto médio, bota elegante, uma bolsa básica e um bom e surrado jeans.

13. Respeite seu estado de espírito
Quando uma pessoa está triste, procura cores sempre escuras. Quem está alegre usa peças mais vivas. Não quebre a cabeça tentando um look colorido se não estiver num bom dia. Que tal o pretinho básico?

14. Atente para o tecido
Panos pesados, como brim, lã e sarja, podem estragar o visual. Use-os com moderação. Sempre que escolher uma peça assim, combine-a com tecidos mais leves.

15. Olhe-se no espelho!
Esta é a principal regra para se vestir bem. Aprenda a se ver! Quando estiver experimentando uma peça, preste atenção em como ela cai no seu corpo.

Fonte- .teleshopjequie.com

Penso, logo me visto! by Carol Barboza

7eac4b2642d3411261cea924f87bd343

Dez estratégias para montar um guarda-roupa inteligente feminino.

1- Defina-se
Um estilo bem resolvido é construído com base em dois pilares:
Estilo de vida – dia-a-dia, compromissos, tempo livre;
Biotipo – valorizar o que você tem de melhor, no seu corpo (sim, todas temos algo de bom!);

Biotipo: tipos de corpo.

Retângulo
Característica: Medidas de coxas e quadris semelhantes, cintura não definida, braços e pernas mais finos e poucas curvas. Dicas: Tente usar peças mais sequinhas e com cintura bem marcada, como corselets e tops cinturados. Evite abotoamentos duplos e boleros. A ideia, é dar a ilusão de que há cintura.
O que usar? – Looks acromáticos; Vestidos de cintura baixa; Cardigãs longos; Calça boca de sino ou pantalona; Blusa e camisetas levemente cinturados; Casacos e jaquetas cinturados na altura do joelho; Detalhes verticais; Decote em “U” ou “V”; Vestidos com recortes; Cintos usados de forma diagonal ou deslocado ; Saia evasê; Saia com cós largo e volume.
O que evitar? – Golas altas; Cintos de tons claros; Blusas e jaquetas de corte reto e curtas; Blusas de lã com pontos largos e grossos; Casacos e jaquetas na altura do quadril; Vestidos de corte reto.

Oval
Característica: Formas arredondadas e volume nos quadris, cintura e busto. Dica: Explorar as pernas, chamar a atenção para o dorso. Abusar de tudo que chame a atenção para colo, e pescoço.
O que usar? – Cardigã e casacos de altura até os joelhos e corte reto; Vestidos de cintura baixa ou com corte na diagonal; Listras verticais ou diagonais; Pences ou recortes; Calças de corte reto tocando o peito do pé; Roupas de cores escuras; Roupas no tamanho certo; Decote em “U” ou “V”; Saia reta ou ligeiramente evasê; Twin-set com comprimento abaixo da barriga.
O que evitar? – Calça com cintura muito baixa ou com muitos detalhes; Calça afunilada ou larga demais ; Roupas claras ou com brilho; Gola tipo rolê ou exarpe amarrada no pescoço; Blusas muito larga ou por dentro da calça; Listras horizontais; Colar tipo coleira ou com muitas voltas; Blusa ou jaqueta curta de corte reto; Tecidos volumosos; Roupas justas; Vestido com recorte abaixo do busto; Saias rodadas, com pregas, babados ou drapeadas; Cintos ou faixas que marquem o quadril.

Triângulo
Característica: Quadril e coxas mais largos que os ombros. Dicas: Os quadris devem ser minimizados e para tal os tons escuros descem e o foco sobe. Para harmonizar, as cores e estampas devem ser usadas na parte de cima, juntamente com adornos e brincos de forma a desviar a atenção para a parte e cima do corpo.
O que usar? – Gola volumosas e cheia de detalhes; Mangas de ombros caídos ou volumosas; Detalhes nos ombros; Brincos e colares que chamem atenção; Sais e calças secas de cores escuras e corte reto; Parte superior de cor clara ou colorida; Parte de baixo escuras; Saias evasês; Camisas acinturadas; Blusa volumosa e calça reta e escura; Blusa de ombro caído.
O que evitar? – Calça Cigarette ou com Stretch; Detalhes na altura dos quadris como bolsos, babados e bordados; Calças com pregas; Blusas ou vestidos com alças finas; Casacos e jaquetas na altura do quadril; Saias e vestidos rodados, tipo godê ou com pregas; Minissaia curta; Mangas raglã.

Triângulo invertido
Característica: Ombros largos, quadril estreito e pernas finas. Dicas: Ajustar na parte de cima e soltar a parte de baixo com evasês em saias e vestidos e calças mais soltinhas. Nas cores, os tons mais escuros devem ser usados na parte de cima. Para harmonizar o conjunto deve-se balancear o volume entre o ombro e quadril (diminuir os ombros).
O que usar? – Manga raglã ou cava americana; Saia evasê, rodada ou reta; Twin-set; Cores escuras na parte de cima; Cachê-cour; Calças com volume na parte de baixo, tipo pantalona; Minissaia; Blusas e vestidos acinturados; Decote “V” profundo; Bermuda de cor clara ou chamativa; Regatas de alça fina.
O que evitar? – Blusa com tecidos volumosos e muitos detalhes; Linhas horizontais na parte de cima; Casacos ou Jaquetas curtas, acinturadas ou não; Ombreiras; Mangas bufantes; Blusas de decote canoa; frente única ou tomara-que-caia.

Ampulheta
Característica: Ombros e Quadril na mesma largura, cintura mais definida, coxas mais grossas e costas largas. Dica: Para harmonizar o conjunto deve-se minimizar as coxas, valorizar a cintura e disfarçar o busto para diminuir o volume. Sempre chamar a atenção para a parte e cima (vestidos e saias evasês, calças de alfaiataria básica, calça mais seca com blusa mais solta)
O que usar? – Calça de corte reto e cintura baixa; Vestido tipo envelope, transpassado e levemente acinturado; Saia evasê; Casaco de lã amarrado.
O que evitar? – Malhas de tricô volumosas; Linhas horizontais; Estampas na altura do busto ou coxa; Ombreiras; Casacos amplos de corte quadrado; Vestidos largos de corte reto.

Estilo de vida: O modo de vida que levamos – entre trabalho, diversão, compromissos – e nossa casa, podem revelar muito do nosso estilo, que reflete em nosso figurino.

Retrô – Roupas que pertencem a uma certa época, tem uma certa erudição.
Funcionais – conjuntos de roupa de trabalho, utilitárias, com bolsos e capuz.
Étnicas – roupas folclóricas e coloridas.
Jovens – inspirada na cultura pop, vinda das ruas.
Tecno – inspirada na modernidade, com propostas futuristas, vanguardistas. Criação de novos tecidos, por exemplo.

2- Memorize
Monte um mural com fotos de catálogos e revistas com ideias para se inspirar. Buscar personalidades e looks que você gosta ajuda a formar seu guarda-roupa.

3- Limpe
Organizar as roupas é sempre bom. A dica é doar as roupas que não usamos mais, e reavaliar nosso guarda-roupa, enterrar a ‘pessoa’ que fomos, e abrir novas oportunidades de mudarmos nosso estilo.

4- Recheie
Toda mulher deve ter peças coringas:
1 vestido tubo preto, 1 costume – blazer e calça, 1 tailler – saia/casaco, 1 cardigã de tricô, 1 camisa branca, 1 t-shirt branca e outra preta, 1 jaqueta jeans e uma de couro, 1 capa (trench coat bege europeu), 1 scarpin, 1 bota, 1 sandália fina de salto, 1 rasteira, 1 jeans, 1 bolsa de cor neutra grande de toda hora – couro mole flexível, por exemplo – uma elegante e uma pequena.

5- Ame, e ame-se
Não guarde roupas que você goste pouco ou menos que as outras.

6- Compre o necessário
Não caia na tentação de comprar por impulso, por estar na liquidação – eu sei, é difícil!

7- Liberte-se
Estilo é liberdade. Não se censure se tiver vontade de vestir algo que a moral fashion condena, apenas cuidado com exageros.

8- Misture
Muitas grifes juntas matam a produção!

9- Balanceie
Ter estilo, é saber renunciar as tendências que não são para você.

10- Renuncie
Estilo não é eterno, reflete o momento da sua vida, e as formas de se vestir. Dê boas-vindas à mudança!

Lembre-se de que elegância é simplicidade, a maior riqueza é ser você mesma. Independente de qualquer roupa, o que vale é ser o que você veste, se olhar no espelho e poder dizer – ‘esta sou eu!’

Não foi só pra te comer – Junior Costa


Depois de muito ouvir de mulheres a frase: “É impossível entender os homens”, resolvi montar esse blog para mostrar exatamente como nós pensamos.

Vou tentar mostrar que se vocês meninas retirarem todas as sutilezas de pensamento, todas as interpretações múltiplas sobre frases, toda a complexidade implícita sobre nossas atitudes verão que nós somos simples, planos, rasos e previsíveis.

Resumindo, vou tentar explicar o óbvio que vocês não enxergam e nenhum cara tem o menor saco de explicar.

Ass. Junior Costa

Celulite, parte 1

Este post foi pedido por três amigas ontem a noite. O que nós achamos de celulites, gordinhas, etc, etc.

Logo de cara eu poderia estrapolar o assunto em o que nós achamos da neurose que vocês tem em relação ao corpo, com toda aquela parafernália de cremes, shampoos (tive que ir conferir como escreve num frasco, pra vocês terem uma idéia), etc, etc, etc.

Pois bem, esse assunto é tão longo, mas tão longo que daria no mínimo uns 5 posts pra explicar que no fundo, no fundo, a gente caga e anda pra isso. Portanto vou começar a defecar nesse primeiro post.

Gostamos de mulher bonita? COM CERTEZA! Gostamos de mulher gostosa? ABSOLUTAMENTE SIM! Isso é totalmente fundamental? Depende…

Aqui cabe começar a mostrar a verdade no post anterior: Teremos que analisar os diversos tipos de homem que não são todos iguais. Vou tentar abordar todos os grupos, mas com certeza esquecerei de diversos, então guardem as tochas. Também darei um nome para cada grupo e esse nome é única e exclusivamente a minha opinião.

Os moleques

Estes são os mais novos, que ainda não acharam seu lugar, inexperientes, que ainda medem o “tamanho do pau” pela mulher que desfilam do lado pra mostrar pros amigos. Esses se importam sim, e muito, com os esteriótipos de beleza de vocês afinal é por esses esteriótipos que eles vendem a própria imagem. Via de regra nem sabem direito o que fazer com uma mulher na cama mas isso também não importa, visto que ainda estão se auto-afirmando, então o que vale é o mostram. Derivam em duas sub-espécies, os garanhõezinhos e os punheteiros, sendo que os primeiros conseguem desfilar e os segundos apenas querem desfilar.

Os semi-viados

São tudo os que os moleques são, com a diferença que fazem lipoaspiração, trocam marcas de shampoos e cremes com vocês, reparam no sapato que vocês usam e criticam as roupas que vocês usam. Normalmente trepam com eles mesmos apesar de vocês estarem presentes também.

Os Desencanados

Esses são os homens comuns que não reparam em porra nenhuma. Preferem as bonitas e gostosas mas desde que sejam bonitas e gostosas para o próprio gosto. Se você é legal, gostosinha e trepa bem não estão nem aí pro fato de você ter uns (poucos ou muitos) kilinhos a mais ou a menos. Preferem coxas lisas mas se você não está 100% depilada, tudo bem. Nunca perceberam se você está com a mão feita e pra ser sincero, acreditam que uma mão com 5 dedos é uma mão feita. Se preocupam mais em como você usa o seu corpo do que propriamente como ele é.

Os curva-de-rio

Similares aos desencanados com uma pequena diferença: Não tem nenhum senso crítico. Pra esses mulher é um buraco quentinho e úmido, todo o resto é um detalhe.

Esses são os quatro grupos principais de homens, de novo, na minha visão. Não posso falar muito dos dois primeiros nem do último grupo, nem de todas as variações dos mesmo, portanto vou me ater ao terceiro grupo. Mas isso vai pro próximo post, onde detalharei mais a influência das neuroses que vocês tem em relação a estética e como nós percebemos tudo isso.

Celulite, parte 2

Primeiro, desculpem a demora nas atualizações. Muito trabalho e coisas tristes aconteceram nos últimos dias, nenhuma cabeça nem bom humor pra escrever. Mas vamos lá.

No último post listei alguns tipos de homem. Um tipo que dispensa qualquer análise (os curva de rio), dois que corroboram a neurose que vocês tem com corpo e aparência e um que será o padrão pra falarmos agora, os desencanados.

Nada contra meninas que gostem dos Moleques ou dos Semi-Viados, cada uma com seu mau gosto mas nós, os desencanados, não damos a mínima pras neuras que vocês tem. Vamos falar de algumas delas:

Mãos

Já falaei de mãos por aqui. Cinco dedos é mão feita. Claro que se as unhas estiverem sujas como a de um mecânico ou aquele bicolor de esmalte descascado, só aquelas rebarbas no cantinho, vamos achar feio, ponto. De resto, acredite, se falarmos que a cor tá bonita é só pra inflar o ego de vocês e facilitar uma eventual cantada. Um desencanado de verdade não vai lembrar que cor eram as suas unhas ontem. Mas vamos lembrar com certeza se vocês as cravaram nas nossas costas, sabe como é?

Barriga, bunda grande, coxas grossas

Nós TEMOS barriga. Nós não nos importamos com barriga. Claro que uma barriguinha lisa e definida é deliciosa, mas uma pancinha não é demérito NENHUM. SÉRIO! Nós sonhamos com atrizes pornôs, com dançarinas de axé, com capas da Playboy sim. Mas nós não somos nenhum modelo de revista nem ator de cinema. Logo acredite, normalmente nós achamos você MUITO mais gostosa do que você mesma se acha. Bunda grande e coxas grossas? Já ouví meninas se queixando disso. QUALÉ? Isso é sonho de consumo. Se o encaixe for legal, tudo isso é detalhe.

Celulite

Nove entre dez desencanados não tem certeza do que venha a ser celulite. É tanto nome, celulite, estria, varizes que poxa, dá pra confundir. Sabemos que isso são nomes de pequenas imperfeições que quando efetivamente estão ao alcance das mãos não querem dizer absolutamente nada! Se o encaixe está bom, nós queremos mais é encher as mãos e curtir. Ah, quer saber do décimo desencanado? Bom, ele jura que sabe o que é celulite, mas com certeza está errado.

Cabelos

Tá, cor de cabelo é meio fetichista. Ruivas naturais são fetiche pra muitos caras, mas elas são raras. Se o seu cabelo não parecer uma samambaia agonizante no deserto nós também não daremos muita bola pra isso. Preferimos, via de regra, cabelos naturais, nada daquelas coisas que nem podemos passar as mãos porque “vai desarrumar”. Seu charme pode estar nos cabelos, no pescoço, no colo, nos peitos. Cada mulher tem seu ponto positivo (e, acredite, TODAS tem). Não vai ser horas e fortunas tentando melhorar o cabelo que vai fazer você ficar mais ou menos interessante. Cuide-se, só isso.

Maquiagem

Gostamos? Sim, gostamos. Mas nada exagerado, pelamor. Uma coisinha discreta conta muito mais pontos do que aquele reboque que demora horas pra fazer e que não podemos nem passar a mão no rosto. Liberados para casamentos, mas poxa, queremos tocar vocês sem que vocês se transformem no bozo.

Acreditem, se nós fomos falar com vocês, convidamos você pra sair, é porque você é interessante, BEM interessante. E normalmente você é interessante mais pelo que é do que pelo que se esforça alucinadamente em ser. Claro que não estou pregando o desleixo. Mulher arrumada e cheirosa é ótima, mas não esperamos que você seja perfeita, porque sabemos que NÓS não somos perfeitos. A diferença é que não queremos ser perfeitos (exceto os outros grupos já citados). Nós queremos alguém legal, que achemos bonitas e gostosas e, nesse ponto, homens são absurdamente diferentes entre sí. Não conheço dois caras que gostem exatamente do mesmo tipo de beleza, cada qual valorizando um aspecto. E acaba sendo ridículo vocês todas procurando seguirem um padrão pra ficarem iguais.

O que conta mesmo, no final, é como vocês usam o corpo de vocês com a gente. Mas isso fica pro próximo post.

O charme das feias-bonitas (Martha Medeiros)

DSC01288 a
a

“Se você não é nenhuma Gisele Bündchen, não há motivo para se desesperar em frente ao espelho. Quem dera ser uma deusa, mas não sendo, há chance de ser incluída no time das interessantes. Junte nove lindas e uma mulher interessante e será ela quem vai se destacar entre as representantes do marasmo estético. Perfeição, você sabe, entedia.

Mulher interessante é aquela que não nasceu com tudo no lugar, a não ser a cabeça – e, às vezes, nem isso, pois as malucas também têm um charme diabólico. A mulher interessante não é propriamente bonita, mas tem personalidade, tem postura, tem um enigma no fundo dos olhos, uma malícia que inquieta a todos quando sorri – e um nariz diferente. São também conhecidas como feias bonitas.

Eu poderia citar um batalhão de feias bonitas que, aqui no Brasil, são públicas e notórias, mas vá que elas não considerem isso um elogio. Então vou dar um exemplo clássico que vive a quilômetros de distância: Sarah Jessica Parker. É uma feia lindona. Uma feia classuda. Uma feia surpreendente. Adoro este tipo de visual. Mulheres com rostos difíceis de classificar, que não se enquadram em nenhum padrão.

Quando Meryl Streep estreou como coadjuvante em Manhattan, filme de Woody Allen, chamou a atenção não só pelo talento, mas pelo seu ar blasé, seu porte altivo e uma sobrancelha que arqueava interrogativamente, como se perguntasse: e aí, você já decidiu se lhe agrado ou não? Paralisante.

Esse gênero de mulher não figura nos anúncios da Lancôme e não possui um rosto desenhado com fita métrica: olhos, boca e nariz a uma distância equilibrada um dos outros. Nada disso. A feia bonita é aquela que não causa uma excelente impressão à primeira vista. Ao contrário, causa estranhamento. As pessoas se questionam. O que é que essa mulher tem? Ela tem algo. Pronome indefinido: algo.

Ficar bonitinha, muitas conseguem, mas ter algo é para poucas. Não dá para encomendar num consultório de cirurgia plástica. Não adianta musculação, dieta, hidratantes. Feias bonitas têm a boca larga demais. Ou um leve estrabismo. Ou um nariz adunco. Ou seja, este algo que elas têm é algo errado. Mas que funciona escandalosamente bem.

E há aquelas que não têm nada de errado, mas também nada de relevante. Um zero a zero completo, e ainda assim se destacam. Um exemplo? Aquela menina que atuou em Homem-Aranha e Maria Antonieta, a Kirsten Dunst. Jamais será uma Michelle Pfiefer, mas a menina tem algo. Quem dera esse algo fosse vendido em frascos nos freeshops da vida.

Se o fato de ser uma feia bonita é, digamos, uma ótima compensação, ser um feio bonito é o prêmio máximo. Não sei se você concorda, mas eles são mais atraentes que os bonitos bonitos. Não que seja tolerável um narigão num homem: ele tem que ter um! Nada de baby face. É obrigatório uma cicatriz, ou um queixo pronunciado, um olhar caído. Você está lembrando de um monte de cafajestes, eu sei. Ou de um monte de italianos. É esse tipo mesmo, você pegou o espírito da coisa.

Feias bonitas e feios bonitos tornam a vida mais generosa, democrática, divertida e interessante. Não podemos ter tudo, mas algo se pode ter.”

(Martha Medeiros)