Arquivo por Autor | elisabetecunha2008

25 SINTOMAS DA MENOPAUSA – CLIMATÉRIO- Dr. Pedro Pinheiro 

tumblr_nypzvqeSnF1sn84gso1_500

.

Calor, suor intenso, alterações do humor e memória fraca são apenas alguns dos muitos sinais e sintomas que a mulher pode sentir após a menopausa.

A menopausa é um momento marcante na vida das mulheres. Ela é um evento inevitável, que ocorre devido ao esgotamento dos óvulos e o consequente fim dos ciclos ovulatórios, caracterizando a transição entre a idade fértil e o climatério.

Para que não haja confusão com os termos, é bom lembrar que menopausa é o nome dado à última menstruação da vida da mulher, enquanto climatério é período pré e pós-menopausa, ou seja, a fase da vida na qual há transição entre a fase reprodutiva e não-reprodutiva da mulher. Portanto, não é tecnicamente correto dizer que uma mulher está na menopausa. O certo é dizer que a mulher teve a sua menopausa e encontra-se no climatério.

Neste artigo vamos abordar os 25 principais sinais e sintomas da menopausa, incluindo aqueles que ocorrem nos períodos pré-menopausa, perimenopausa e pós-menopausa.

Aqui iremos focar apenas nos sintomas. Para outras informações sobre a menopausa, como causas, diagnóstico e tratamento, leia: O QUE É MENOPAUSA E CLIMATÉRIO?

Caso você tenha alguma dúvida em relação aos termos que serão usados neste texto, use a figura abaixo para se orientar.

– A menarca é a primeira menstruação da vida da mulher.
– A pré-menopausa é o período de 3 a 7 anos antes da menopausa, ou seja, os últimos 3 a 7 anos de idade fértil (fase que começa o climatério).
– A menopausa é a última menstruação da vida da mulher.
– A pós-menopausa é o período que inicia-se após a última menstruação, ou seja, após a menopausa.
– A perimenopausa é o período que engloba a pré-menopausa e o primeiro ano de pós-menopausa.

Fases do ciclo reprodutivo
Fases do ciclo reprodutivo feminino

Em geral, quando as pessoas dizem “sintomas da menopausa”, elas estão, na verdade, se referindo ao grupo de sinais e sintomas físicos e emocionais que ocorrem, habitualmente, no período da perimenopausa e durante o restante do climatério.

A perimenopausa é uma fase na qual o corpo da mulher passa por uma série de alterações fisiológicas que podem afetar a sua qualidade de vida. O principal é a redução nos níveis de estrogênio que ocorrem porque os ovários começam a entrar em falência. Este período é caracterizado por ciclos menstruais irregulares e marcantes flutuações hormonais, muitas vezes acompanhados por ondas de calor, distúrbios do sono, alterações do humor e secura vaginal. Além disso, as mudanças na gordura corporal e a perda de massa óssea típicas do climatério causam grande impacto para a saúde a longo prazo.

SINAIS E SINTOMAS DA MENOPAUSA

1- ONDAS DE CALOR – FOGACHO

O fogacho, também chamado de afrontamento, são as famosas ondas de calor que ocorrem na perimenopausa. O fogacho é o sintoma mais comum da menopausa, ocorrendo em mais de 80% das mulheres.

Os calores são causados pela redução da produção de estrogênio, o que provoca uma desregulação do termostato normal do corpo. Os afrontamentos iniciam-se no período pré-menopausa e costumam durar até 2 anos após a menopausa. Durante o restante do climatério, eles costumam desaparecer, mas cerca de 10% das mulheres permanecem tendo-os por muito tempo, algumas até os 70 anos. A pior fase dos calores costuma ser no ano anterior à menopausa.

O fogacho geralmente começa como uma súbita sensação de calor centralizado na parte superior do tórax e rosto, mas que rapidamente torna-se generalizada. A sensação de calor dura de dois a quatro minutos, é freqüentemente associada a uma transpiração abundante e, ocasionalmente, palpitações. Também são comuns a ocorrência de calafrios, tremores e um sentimento de ansiedade.

A frequência dos afrontamentos varia muito, desde apenas 1 ou 2 episódios por dia até dezenas de episódios ao longo das 24 horas. As ondas de calor são particularmente comuns à noite.

Nós temos um texto que fala especificamente sobre o fogacho, que pode ser acessado através do seguinte link: FOGACHO | Calor da menopausa.

2- SUORES NOTURNOS

A sudorese noturna é uma variante dos fogachos. Em algumas mulheres, os afrontamentos ocorrem predominantemente à noite, provocando uma intensa sudorese durante o período do sono. Em muitos casos, esses afrontamentos noturnos atrapalham o sono e agravam os sintomas de cansaço e irritação da perimenopausa.

O consumo de bebidas alcoólicas durante o dia e um quarto mal ventilado colaboraram para o agravamento dos afrontamentos noturnos.

3- DISTÚRBIOS DO SONO

Os afrontamentos noturnos, como já referido, são importante causa de pertubação do sono no período perimenopausa. Eles, porém, não são os únicos. Muitas mulheres na pré-menopausa têm dificuldades para dormir mesmo na ausência dos fogachos.

A insônia pode surgir até 7 anos antes da menopausa e costuma se agravar no último ano da pré-menopausa. Mulheres ansiosas ou deprimidas costumam ser aquelas com maior dificuldade para dormir.

4- MENSTRUAÇÃO IRREGULAR

Alterações do período menstrual já podem ocorrer antes mesmo da mulher entrar no período pré-menopausa. Inicialmente as alterações são sutis e incluem mudanças na intensidade do sangramento e encurtamento do ciclo.

Conforme a menopausa vai se aproximando, as alterações menstruais se tornam mais óbvias. O ciclo agora passa a ser irregular e torna-se mais longo, podendo durar 40 a 50 dias. O volume menstrual se altera (para mais ou para menos) e escapes podem ocorrer no meio do ciclo.

A menstruação vai se tornando cada vez mais irregular, até desaparecer. A mulher na pré-menopausa não tem como saber quando será sua última menstruação. O diagnostico da menopausa só pode ser estabelecido retrospectivamente, quando a mulher completar 1 ano sem menstruar novamente.

5- DEPRESSÃO

Mulheres na pré-menopausa têm 2,5 vezes mais chances de entrar em depressão do que em outras fases da vida. O risco é ainda maior naquelas que têm severos sintomas da pré-menopausa, principalmente fogachos e distúrbios do sono. A depressão também pode ocorrer em mulheres que se veem aproximando-se da menopausa e ainda desejam engravidar.

Acredita-se que a redução dos níveis de estrogênio, associada aos sintomas incômodos da pré-menopausa e ao fato da mulher reconhecer que está ultrapassando a fronteira entre a juventude e a velhice, colaborem para uma maior incidência de depressão neste período. Após o primeiro ano de climatério, o risco de depressão começa a cair.

6- ANSIEDADE

A ansiedade durante a perimenopausa é provavelmente causada pela queda nos níveis de estrogênio circulantes no corpo, o que reduz a produção de neurotransmissores responsáveis pela regulação do humor, como a serotonina e a dopamina.

7- ALTERAÇÕES DO HUMOR

Pelos mesmos motivos expostos no tópico anterior, a flutuação dos níveis de estrogênio é responsável pela grande variedade do humor das mulheres no período pré-menopausa. Durante um único dia, a mulher pode alternar entre euforia, raiva e tristeza, sem haver um motivo real para tal.

Quando os sintomas físicos da menopausa são importantes, os sintomas emocionais também costumam ser.

8- SECURA VAGINAL

O revestimento da vagina  é composto por tecidos dependentes de estrogênio. A deficiência de estrogênio que ocorre na menopausa leva ao adelgaçamento do epitélio vaginal, resultando em atrofia da vagina (vaginite atrófica) e sintomas de secura vaginal, coceira e dor durante o ato sexual (chamada de dispareunia).

A secura vaginal inicia-se na pré-menopausa, mas torna-se realmente evidente no climatério.

9- REDUÇÃO DA LIBIDO

As alterações hormonais típicas da menopausa são as responsáveis pela redução da libido na mulher. Além disso, a própria secura vaginal pode tornar o ato sexual doloroso, o que, aliado a uma redução do aporte de sangue para a região vaginal e vulvar pela deficiência de estrogênio, pode reduzir a capacidade da mulher de ter prazer com o sexo.

10- MEMÓRIA FRACA

O estrogênio também parece ter importante papel no funcionamento normal do cérebro feminino. Na perimenopausa, as mulheres podem começar a ter lapsos de memória de curto prazo, tornando-se mais comuns esquecimentos triviais, tais como onde guardou a chaves, aniversários de amigos e datas de reuniões. Em geral, não é nada muito grave, mas em pessoas muito metódicas, pode ser algo que gere grande incômodo.

Os lapsos de memória são mais comuns em mulheres deprimidas, estressadas ou muito cansadas.

11- DIFICULDADE DE CONCENTRAÇÃO

Seguindo a mesma lógica do tópico anterior, as alterações dos níveis de estrogênio causam alterações na capacidade de concentração das mulheres na perimenopausa. Além disso, os outros sintomas da menopausa, como insônia, cansaço, ansiedade, fogachos, etc, também colaboram para uma menor capacidade de se focar nos estudos ou no trabalho.

12- DOR NAS ARTICULAÇÕES

A saúde das articulações, tendões, ligamentos e músculos também sofre com a queda dos níveis de estrogênio. Cerca de 60% das mulheres na pré-menopausa queixam-se de dores articulares. Mulheres obesas ou com sobrepeso são as que mais têm problemas.

Ao contrário de vários sintomas da menopausa que desaparecem no climatério, as dores nas articulações costumam permanecer.

13- PELE SECA

A redução dos níveis de estrogênios está relacionada a uma queda na produção de colágeno, que é a substância que mantem nossa pele firme e com boa aparência.

Portanto, quando a produção de colágeno é alterada, a pele fica mais fina, mais seca, mais descamativa e menos jovem. O ressecamento da pele pode provocar coceira, que em alguns casos pode ser bastante incômoda.

14- QUEDA DE CABELO

A saúde do cabelo das mulheres também está intimamente ligada aos níveis de estrogênio e colágeno. Na perimenopausa, a mulher começa a notar que a qualidade do seu cabelo se altera, tornando-se mais seco, quebradiço e caindo com mais facilidade. Essa situação tende a ser agravar no climatério.

15- UNHAS FRACAS

Assim como a pele e o cabelo, a saúde das unhas também sofre com a redução dos níveis de estrogênio. Na perimenopausa, as unhas começam a ficar mais ressecadas e fracas, podendo quebrar com facilidade.

16- CANSAÇO

O cansaço, a falta de energia e a pouca disposição para eventos do dia-a-dia também são extremamente comuns antes da menopausa. Eles ocorrem não só pelos desequilíbrios hormonais, mas também pelas alterações de humor e pela falta de sono. Em geral, o cansaço melhora na fase do climatério.

17- GANHO DE PESO

O metabolismo e a forma como o corpo armazena gordura se alteram com a redução dos níveis de estrogênio. O gasto calórico basal do corpo diminui, fazendo com que seja mais fácil engordar com menos calorias. Além disso, o corpo passa a ter um padrão de acúmulo de gordura mais parecido com os homens, com mais deposição de gordura na barriga e ao redor da cintura.

18- DOR NA MAMA

Mastodinia é o termo usado para dor nas mamas. Esse sintoma é muito comum nos primeiros anos da pré-menopausa, mas vai ficando mais brando conforme a menopausa se aproxima. Em geral, ele desaparece no climatério.

19- DOR DE CABEÇA

Existe um tipo de enxaqueca que está relacionada ao período menstrual, ocorrendo de forma cíclica todo o mês, logo antes da menstruação descer. As mulheres que têm esse tipo de dor de cabeça podem notar um agravamento da mesma quando entram na pré-menopausa.

Mesmo mulheres que nunca tiveram dor de cabeça relacionada à menstruação podem passar a tê-la na perimenopausa. Em geral, a enxaqueca começa até 7 anos antes da menopausa e vai se intensificando conforme o ciclo menstrual vai ficando cada vez mais irregular.

20- PALPITAÇÕES

Conforme a menopausa se aproxima, palpitações e sensação de batimentos cardíacos alterados vão se tornando comuns. Habitualmente, não há motivos para preocupação e as palpitações somem no climatério.

Pacientes ansiosas e com fogachos intensos podem ter palpitações com mais frequência.

21- INFECÇÃO URINÁRIA

Assim como ocorre com a vagina, a uretra, canal que transporta a urina vinda da bexiga, é revestida por um tecido muito sensível ao estrogênio. Durante a pré-menopausa ela torna-se mais fina, ressecada, menos elástica e mais irritável, facilitando a invasão por bactérias.

Algumas mulheres podem passar a ter infecção urinária de repetição a partir da menopausa, situação que pode ser contornada com a aplicação de estrogênio vaginal.

22- PELOS FACIAIS

Na perimenopausa as relação entre os níveis de estrogênio (hormônio feminino) e androgênios (hormônio masculino) se alteram. Toda mulher  produz pequenas quantidades de androgênios durante a vida, cujo os efeitos são bloqueados pelo estrogênio.  Conforme a menopausa se aproxima, os níveis de estrogênios caem e os de androgênios sobem.  Esse aumento dos hormônios masculinos podem provocar o aparecimento de pelos na face da mulher, principalmente no queixo.

Além do queixo, novos pelos também podem surgir na região do bigode, nas bochechas e até no peito e no abdômen.

23- OSSOS FRACOS

Conforme envelhecemos, nossos ossos vão se tornando mais fracos. Esse processo é bastante acelerado pela falta de estrogênios da menopausa, fazendo com que mulheres estejam muito mais sujeitas à osteoporose e fraturas, como a do colo do fêmur, do que os homens.

Conforme o climatério avança, mais comum torna-se a ocorrência de osteoporose.

24- DESEQUILÍBRIO E TONTURAS

Episódios súbitos de tonturas e perda do equilíbrio costumam se tornar mais frequentes na perimenopausa. As causas ainda não estão bem esclarecidas, mas, como todos os sintomas da menopausa, há um importante componente da falta de estrogênios.

25- SENSAÇÃO DE BARRIGA INCHADA

Uma sensação de barriga inchada ou distendida é comum no período perimenopausa. Mulheres que já apresentavam esse sintoma durante a sua menstruação costumam ser as que mais sofrem nesta fase.

Acredita-se que a redução do estrogênio altere a forma com o corpo digere as gorduras da alimentação, fazendo com que haja maior produção de gases, o que seria o responsável pela sensação de barriga inchada.

Anúncios

Os Hormônios, Os Odores e o Sexo – Elsimar Coutinho

aeer

.

Apesar do sexo envolver todos os sentidos na maioria dos animais, os odores que emanam dos parceiros atuam como sinalizadores químicos que permitem identificar não somente a presença dos indivíduos do sexo oposto nas redondezas como a sua localização. Como os odores característicos das fêmeas das diversas espécies são mais intensos no período da ovulação, a presença de uma fêmea que se encontre nessa fase é percebida a distância maiores, alcançando e atraindo assim um número maior de machos.

Nos mamíferos, os odores que emanam das fêmeas são fundamentais, pondo em dúvida a afirmativa do poeta que pede perdão às feias ao propor a beleza como fundamental. Na realidade a anatomia responsável pela beleza por si só não conduz ao sexo se o odor não for adequado. Nos animais domésticos e nos primatas subumanos que praticam o sexo à vista de todos pode ser constatada essa verdade biológica.

O cão se aproxima de uma cadela e com seu focinho cheira o corpo da fêmea em toda a sua extensão. Depois de cheirá-la, o cão toma uma de duas alternativas de ação. Ou vai embora ou tenta copular. Se o cão vai embora, distanciando-se, indiferente àquela cuja anatomia e leve odor a identificam como fêmea da sua espécie é porque ao cheirá-la nada lhe aconteceu. Se, entretanto, após a cheirada, o seu pênis sofreu vasodilatação e desenvolveu uma ereção, ele tenta esfregá-lo no corpo da cadela, porque o pênis ereto provoca comichão.

Ao apoiar as pernas dianteiras nas costas da cadela, ela faz uma corcova e levanta a cauda (fenômeno que só ocorre no pico estrogênico durante a ovulação). Para o cão (ou para o gato) a beleza está longe de ser fundamental. Gata sem cheiro de gata ou cadela com um odor exótico, por mais linda que seja aos olhos dos seus parceiros quando os atraem pela anatomia se revelam propaganda enganosa na hora da prova.

Ainda mais importante para o homem porque mais próximos antropologicamente estão os primatas subumanos cujo comportamento sexual é mais ou menos intermediário entre aquele dos quadrúpedes e os seres humanos. Os machos de espécies como o chimpanzé e o gorila preferem se masturbar a copular com uma fêmea que não esteja no cio e por mais bela que seja aos seus olhos. Através do estímulo manual, o macho consegue uma ereção melhor do que se esfregando numa fêmea sem o mágico cheiro de macaca no cio. Quando uma chimpanzé entra no cio todos os machos a procuram para copular.

Os estímulos quimio-sensoriais que governam as relações entre os indivíduos da mesma espécie começam a atuar sobre os receptores olfativos e gustativos do feto humano entre quatro e seis meses da gravidez quando o líquido amniótico começa a fluir livremente por via nasal. Os estímulos variam de acordo com a alimentação da mãe cujo líquido amniótico é exclusivo e terá odores e gostos específicos para cada indivíduo, permitindo não somente a identificação como afinidade entre mãe e filho. Durante o nascimento, os milhares de receptores na mucosa nasal e no órgão vomeronasal são expostos de maneira intensa aos componentes das secreções vaginais da mãe que se encontra sob forte influência estrogênica indispensável para iniciar e sustentar a atividade contrátil do útero.

A exposição dos receptores nos momentos iniciais da vida imprime de modo indelével as características odoríferas da vagina materna nas narinas do filho de tal forma que para o resto da vida o indivíduo é atraído para os corpos dos quais emanem os referidos odores que caracterizam o “cheiro de mulher”. A intensidade do “cheiro de mulher” aumenta sob a influência dos estrogênios e é por isso que alcançam o seu pico durante o período peri-ovulatório e durante o período expulsivo do trabalho de parto quando cessa o efeito bloqueador da progesterona (progesterone block). Na menopausa, quando os estrogênios ficam muito baixos, a vagina fica desprovida de secreções e conseqüentemente do seu cheiro. Nesse caso a reposição hormonal com estrogênios e testosterona devolve tanto as secreções quanto o odor característico da vagina normal.

A testosterona é transformada no corpo da mulher em estradiol graças à ação da aromatase. Os níveis de testosterona são cerca de dez vezes mais baixos na mulher do que no homem, mas, apesar disso, a testosterona também colabora para o “cheiro de mulher”.

O cheiro de homem, ao contrário do cheiro de mulher, não atrai a mulher para ele, mas aumenta a receptividade da fêmea à aproximação e penetração pelo macho. No homem, os níveis elevados de testosterona, resultantes da percepção da proximidade da fêmea, aumentam a sua agressividade e sua aptidão para a cópula. Ereções mais rápidas e mais firmes se desenvolvem em machos que aumentam seus níveis de testosterona na presença de uma fêmea estrogenizada.
As ereções espontâneas que ocorrem nas primeiras horas da manhã também coincidem como o pico diário da testosterona.

As emanações estrogênio dependentes que despertam o desejo do homem podem ser reduzidas e até eliminadas por excesso de higiene íntima, banhos repetidos, desodorantes e perfumes exóticos, razão pela qual devem ter o seu uso eliminado quando a mulher quer despertar o desejo do homem.

Caixa com decoupage Frida Khalo.

 

 

Frida u

Caixa com decoupage Frida Khalo

by Elisabete Cunha

Quem quer?
Feito sob encomenda
Cada caixa será exclusiva.
Encomende a sua!

40 REAIS

betescunha@gmail.com

https://www.facebook.com/elisabetecunha13

A imagem pode conter: 1 pessoaA imagem pode conter: 1 pessoaA imagem pode conter: 1 pessoa

PARA QUE SERVE A ARTE NA ESCOLA E NA EDUCAÇÃO?

definies-de-arte-13-728

 .
Uma reflexão sobre a importância da arte nas escolas, sendo seu aprendizado um dos pilares da Eucação.

Mona_Lisa,_by_Leonardo_da_Vinci,_from_C2RMF_retouched.jpg 

Mona Lisa, Leonardo da Vinci, 1503–1517

A história da arte acompanha a história do homem em sua essência. Toda a forma de expressão que o homem conhece, seja em grupo ou seja individual, tem a ver com a arte. A expressão artística nos aproxima do indivíduo ou de um determinado grupo social, uma vez que através da arte, expõe-se o interior e a maneira de olhar-se a realidade à volta. Com isso, a exposição das crenças e dos valores ajudam a formar identidades. É através da arte que isto é possível, pois a arte é a expressão máxima do ser.

Não é possível separarmos a história do homem e a história da arte. O homem evoluiu e levou consigo considerações a serem exploradas por meios de expressão artísticas. A evolução do homem também se deve a esta necessidade de se expressar como indivíduo ou como grupo. A arte é a resposta e e reação do homem ao meio em que se vive, sendo assim torna-se um dos grande pilares que sustenta o entendimento do próprio homem.

nascimento-de-venus.jpg

 Nascimento de Vênus, Sandro Botticelli, 1484–1486

O acesso à cultura e Educação tona a vida das pessoas mais simples, uma vez que o conhecimento as ajuda a entender o mundo à nossa volta, os fatos, a História e a realidade. Todas as ciências que permeiam o conhecimento do homem devem ser oferecidas como forma de educação, eis a importância de as escolas manterem um bom currículo – atualizado e revisado anualmente – para o ensino. A arte entra como matéria fundamental para fortificar o ensino e o conhecimento em outras áreas, uma vez que a arte pode ser relacionada com a ciência, com a psicologia, com a História e etc.

No Brasil, infelizmente, a arte é pouco divulgada, ensinada, promovida e aceita pela sociedade – com exceção dos estilos populares como Cinema e Música. A arte e a história da arte clássica é vista, no Brasil, como sendo algo da elite, altamente exclusiva. Isso porque a Educação no país falhou em ensinar nas escolas sobre a história da arte, fazendo disso uma faculdade exclusiva do conhecimento. O resultado é que a arte não faz parte do nosso conhecimento, sendo assim, fica excluída do nosso cotidiano, uma vez que não criamos o hábito de apreciar a arte. E como apreciar algo sobre o qual não entendemos? A arte passou e passa, ainda, a distância, nas escolas e no ensino. Hoje, vemos que o resultado é uma população que considera a arte como sendo algo para os privilegiados e para a elite.

Historiadaarte.jpg

Por causa da internet, a arte tem sido mais democratizada e se popularizou com rapidez nos últimos anos. A internet possibilitou acesso à arte e sua história, e ofereceu um maior entendimento sobre as suas características e influências na história da humanidade.

article-2122087-00721AAB00000258-353_634x763.jpg 

Os girassóis de Van Gogh (série), 1888.

Podemos afirmar que o advento da internet tem cumprido o papel do Estado, o de democratizar a arte. Um papel que é obrigatoriamente do sistema de ensino, mas que por ser falho, não é confiável. A importância de se trabalhar nas escolas para ensinar os pilares artísticos e as influências destes na sociedade e no modo em que vivemos torna-se urgente. As artes abrangem muito mais do que apenas conhecer a história. A arte é importante para conhecermos a nós mesmos e a nossa própria capacidade de evoluir de acordo com o que vivemos e captamos em sociedade. A própria comunicação é permeada com os conceitos artísticos. Toda a expressão através da linguagem, a linguagem visual, os sinais, os gráficos, as manifestações e expressões performáticas, a comunicação visual, tudo é feito a partir de um pilar que é a arte. Conhecer este pilar e conseguir posicioná-lo nos lugares certos ao longo da história, a fim de entender o próprio homem é um serviço que deveria ser ooferecido com uma maior qualidade dentro das instituições de ensino.

kandinsky.comp-8.jpg

A arte ajuda o homem a pensar e a se desenvolver. O conhecimento sobre a arte é primordial para o conhecimento sobre o mundo e sobre o homem.

Fonte: http://obviousmag.org

Homem & Mulher

aii.

Homem não gosta de mulher que insiste com recados consecutivos, mas também não gosta de mulher que não telefona. Mulher não gosta de homem que a persegue, mas também não gosta de homem que não a procura. Homem não gosta de mulher fácil, mas também não gosta de mulher difícil. Mulher não gosta de homem doce, mas também não gosta de homem rude. Homem não gosta de mulher que fica com muitos, mas também não gosta de encalhada. Mulher não gosta de mulherengo, mas também não gosta de travado. Homem não gosta de ser questionado, mas também não gosta de ser esquecido. Mulher não gosta de ser contrariada, mas também não gosta de gente passiva. Homem não gosta de estardalhaço, mas não adia uma bagunça. Mulher gosta de estardalhaço, desde que não vire bagunça. Homem não gosta de ser debochado, mas também não suporta ser levado sempre a sério. Mulher não gosta de brincadeiras sem graça, mas não admite a ausência de brincadeiras. Homem não gosta de fofoca, mas é o primeiro a contar as novidades aos amigos. Mulher gosta de fofoca, mas deseja preservar sua privacidade. Homem não gosta de jantar na casa da sogra, mas também precisa dela. Mulher não gosta de ser comparada com as antigas namoradas, mas também quer saber todos os detalhes. Homem não gosta de ser surpreendido, mas também não gosta de saber antes. Mulher adora um mistério, mas com aviso prévio. Homem não gosta de comprar lingerie, mas também é o primeiro a criticar a que ela está usando. Mulher ama comprar lingerie, mas também é a primeira a dizer que a incomoda. Mulher prefere calcinha bege, não aparece com a roupa. Homem abomina calcinha bege, aparece demais quando ela tira a roupa. Homem não gosta de discutir relacionamento, mas também não gosta do silêncio. Mulher gosta de discutir relacionamento, mas odeia chorar no meio da briga. Homem não tolera filmes românticos, mas não desliga quando reprisados na tevê. Mulher não agüenta filmes de ação, mas também é um alívio não pensar muito. Homem tem dificuldades para se declarar, mas faz o impossível para ser denunciado. Mulher espera declarações, mas não quando está se arrumando. Homem reclama dos atrasos, mas também detesta quem chega antes. Mulher odeia a impaciência do homem, mas também se enerva com a letargia. Homem não resiste a um videogame, mas também não deseja ser chamado de criança. Mulher abusa dos diminutivos, mas também diz que cresceu. Homem pede desculpa quando machuca, mas não aceita desculpa quando machucado. Mulher se desculpa antes de errar, depois não se lembra. Mulher desvia o assunto quando se desinteressa, mas não gosta que não prestem atenção nela. Homem não gosta de ser interrompido, mas vive interrompendo. Mulher admira poesia, mas não no sexo. Homem procura agradar a mulher ao recitar poesia no sexo. Homem não gosta de unhas vermelhas, mas fica excitado com elas num filme pornô. Mulher gosta de unhas vermelhas porque detesta filme pornô. Mulher anseia pelas flores, mas nunca tem um vaso para colocá-las. Homem gosta de mandar flores, mas desiste na hora de escrever o cartão. E ambos não gostam do meio-termo.

 Fabrício Carpinejar

Eu sei, mas não devia – de Marina Colasanti

 22141302_1466875550099159_8490180002194338600_n
 .

“Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.

A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E, porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.

A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora. A tomar o café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.

A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E, aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E, aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E, não acreditando nas negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração.

A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.

A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita. E a lutar para ganhar o dinheiro com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagar mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra.

A gente se acostuma a andar na rua e ver cartazes. A abrir as revistas e ver anúncios. A ligar a televisão e assistir a comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos.

A gente se acostuma à poluição. Às salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam na luz natural. Às bactérias da água potável. À contaminação da água do mar. À lenta morte dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinho, a não ter galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta.

A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente molha só os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado.

A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. 

Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se de faca e baioneta, para poupar o peito. 

A gente se acostuma para poupar a vida. Que aos poucos se gasta, e que, gasta de tanto acostumar, se perde de si mesma.”

Marina Colasanti

A Arte de Não Adoecer – texto de Dr. Dráuzio Varella

 20525717_1631813426843004_2145698898833043208_n

 .

 “Se não quiser adoecer – “Fale de seus sentimentos
Emoções e sentimentos que são escondidos, reprimidos, acabam em doenças como: gastrite, úlcera, dores lombares, dor na coluna. Com o tempo a repressão dos sentimentos degenera até em câncer. Então vamos desabafar, confidenciar, partilhar nossa intimidade, nossos segredos, nossos pecados.O diálogo, a fala, a palavra, é um poderoso remédio e excelente terapia.

Se não quiser adoecer – “Tome decisão
A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia. A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões. A história humana é feita de decisões. Para decidir é preciso saber renunciar, saber perder vantagem e valores para poder ganhar outros. As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.

Se não quiser adoecer – “Busque soluções
Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo. Melhor é acender o fósforo que lamentar a escuridão. Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença. 


Se não quiser adoecer – “Não viva de aparências”
Quem esconde a realidade finge, faz pose, quer sempre dar a impressão que está bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho etc., está acumulando toneladas de peso… uma estátua de bronze, mas com pés de barro. Nada pior para a saúde que viver de aparências e fachadas. São pessoas com muito verniz e pouca raiz. Seu destino é a farmácia, o hospital, a dor.

Se não quiser adoecer – “Aceite-se”
A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima, faz com que sejamos algozes de nós mesmos. Ser eu mesmo é o núcleo de uma vida saudável. Os que não se aceitam são invejosos, ciumentos, imitadores, competitivos, destruidores. Aceitar-se, aceitar ser aceito, aceitar as críticas, é sabedoria, bom senso e terapia. 


Se não quiser adoecer – “Confie”
Quem não confia, não se comunica, não se abre, não se relaciona, não cria liames profundos, não sabe fazer amizades verdadeiras. Sem confiança, não há relacionamento. A desconfiança é falta de fé em si, nos outros e em Deus.


Se não quiser adoecer – “
Não viva sempre triste
O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem vida longa. A pessoa alegre tem o dom de alegrar o ambiente em que vive.”

Dr. Dráuzio Varella