Arquivo | dezembro 2012

Esperança – Mário Quintana


Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E
— ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança…
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA…


Texto extraído do livro “
Nova Antologia Poética“, Editora Globo – São Paulo, 1998, pág. 118.

Anúncios

VOAR – Be Lins


São muitos os voos que queremos alçar. Anseios de liberdade. De independência.
Desejos amorosos. Períodos sabáticos. Sonhos com o norte e tantas direções…
Confortos afetivos, aproveitar melhor os sentidos. São tantos sentimentos que
solicitam um voo alto que os liberte, ou os faça alcançar aquilo que falta, aquilo
que grita, aquilo que alegra…

Tantas metáforas contidas num único voo. Nietzsche, um traçador de rotas
metafóricas tem uma das mais brilhantes sobre como aprender a voar:
‘Quem deseja aprender a voar deve primeiro aprender a caminhar, a correr,
a escalar e a dançar. Não se aprende a voar voando.’

A gente quer da vida o voo das coisas mais leves e todas as suas delícias.
Ao contrário do voo, não se aprende a viver senão vivendo. Para voar é
preciso viver com vontade, vontade que é o nome que a vida dá para as
suas asas que nos abraçam e nos tiram pra dançar:

Confiança e vontade. E agarrar-se com força nas asas da vida que tudo ensina.
Inclusive, voar.

2013 – Pode Chegar!

.
.

Independentemente de orientação religiosa, de apelo consumista e de outras convenções sociais, hoje é um dia pra refletir. Com a chegada do fim do ano, questões precisam ser levantadas.Será que cumprimos o que prometemos a nós mesmos no início desse ano? Será que aproveitamos cada dia da nossa vida como se fosse o último?Olhamos para o outro buscando enxergar um irmão, ou enxergamos ele como uma escada pra satisfazer o ego? Por mais piegas que possa parecer, essas meditações precisam ser feitas.Um novo ano está batendo a porta. Com 2013, a cada dia, 1 oportunidade de fazer mais bem feito o que quer que seja vai aparecer.Mas se não nos livrarmos do olhar limitado, do egocentrismo e de todos os vícios que “apequenam” nossa alma, 365 oportunidades não servirão de nada.Ame mais, sinta mais. Busque enxergar a si no outro. Lembrando sempre que a família, seja ela genética ou opcional, é o bem mais precioso que você tem..

 

Texto de  Rodrigo de Amorim

Sobre o ano novo, mudanças e recomeço…

esperança (1)

O ano já está acabando e isso significa que um novo ano está por vir. Não sei vocês, mas todo esse clima natalino me faz refletir bastante sobre como agi durante o ano e como espero ser no próximo. É tempo de mudanças, tempo de parar para pensar em tudo de bom e ruim que 2012 nos proporcionou e criar metas afim de tentar fazer com que o próximo seja surpreendente. Mas que tal surpreender-se a cada dia ao invés de pedir que 2013 te surpreenda? Até as mais simples ações geram grandes resultados.

Apaixone-se primeiramente pela pessoa que mais vale a pena no mundo, a única que não te fará sofrer: você mesmo. É como eu não me canso de repetir: antes de nos apaixonarmos por alguém devemos estar bem conosco. Confie em você, pois a confiança é o principal item para que as coisas em nossas vidas deem certo. Tenha fé, acredite em seu potencial e pronto, você tem tudo para ir além.

Desapegue. Não vale a pena procurar quem não se importa com você. Esqueça essa de correr atrás de quem não te merece. O destino as vezes pode parecer cruel, mas se ele está longe, é assim que tem que ser. Não gaste seu precioso tempo com quem só quer um momento de diversão com você. É difícil, eu sei, mas uma hora você aprende. Nós aprendemos.

Mude, mas comece de dentro. Faça uma reforma no seu coração e varra dele todas as cicatrizes que não se curaram da outra vez. Conheça novas músicas, lugares e pessoas. Crie novos hábitos. Deixe o que te atrapalha para trás, mude de caminho, siga a felicidade. Sonhe e faça de tudo para que o que deseja se concretize.

Recomece. Tente algo. Insista. Insista outra vez. Encare os obstáculos. Não desista tão facilmente. Acredite que você é capaz, porque você é. Não jogue suas esperanças para o alto. E o mais importante, lembre-se de que o ano que se inicia trás consigo 365 novas chances de recomeçar.

Por Hélvio Caldeira

TORTURA NATALINA – Carpinejar

 
Arte de Raoul Dufy
Amigo Secreto merecia se chamar de Sofrimento Secreto.
 
Não tem como se divertir numa brincadeira onde seu principal desafeto pode lhe dar um presente. Ou você pode estar nas mãos do sujeito mais pão-duro do serviço. Como ficar à vontade se tirou o nome do seu chefe?
 
Nunca vi ninguém pulando de alegria, vibrando por participar da confraternização.
 
Amigo Secreto é uma praga do Natal, que saiu das empresas para estragar a ceia das famílias.
 
Amigo Secreto é trocar o presente espontâneo por um brinde. É trocar a loja pelo camelô.
 
Amigo Secreto é ir a um rodízio de pizza para comer somente uma fatia.
 
A pior coisa do Amigo Secreto é quem faz suspense demais. Procura competir com Fidel Castro. 
 
A pior coisa do Amigo Secreto é também quem não faz suspense nenhum. Preguiçoso e sem vontade.
 
Todos erram as características na hora do anúncio. É um festival de constrangimentos.
 
Amigo Secreto dá chance para os tarados cantarem suas colegas. Oficializa o assédio sexual.
 
A Lei de Murphy criou o Amigo Secreto. A lembrança que você recebe consegue ser muito menor do que o limite estabelecido. Você sempre será prejudicado. Terminará com um CD muquirana ou um pacote de meias.
 
Amigo Secreto é uma reunião de condomínio procurando ser Orçamento Participativo.
 
Amigo Secreto é uma rifa sonhando ser Mega Sena.
 
Amigo Secreto é fingir que você é feliz no trabalho.

Papai Noel e Feliz Natal em várias línguas

A Lenda do Papai Noel

 
 
Quem nunca acreditou em Papai Noel? Um velhinho com roupas vermelhas, barba branca, cinto e botas pretos que passa de casa em casa para deixar presentes às famílias. De geração em geração, a lenda do Santa Clauss ganha mais realidade no mês de dezembro, quando o mundo celebra o nascimento de Jesus Cristo. Será que ele existe? Será lenda? Bem, isso depende de cada um. Mas diz a história que o bom velhinho foi inspirado na figura de um bispo que de fato existiu. 
São Nicolau nasceu no século 3, em Patras, na Grécia. Quando seus pais morreram, ele doou todos os seus bens e optou pela vida religiosa. Com apenas 19 anos, foi ordenado sacerdote e logo tornou-se arcebispo de Mira. Dizia-se que na cidade em que ele nasceu viviam três irmãs que não podiam se casar por não ter dinheiro para o dote. O pai das meninas resolveu, então, vendê-las conforme fossem atingindo a idade adulta. Quando a primeira ia ser vendida, Nicolau soube do que estava acontecendo e, em segredo, jogou através da janela uma bolsa cheia de moedas de ouro, que foi cair numa meia posta para secar na chaminé. A mesma coisa aconteceu quando chegou a vez da segunda. O pai, afim de descobrir o que estava acontecendo, permaneceu espiando a noite toda. Ele então reconheceu Nicolau, e pregou sua generosidade a todo o mundo. 
A fama de generoso do bom velhinho, que foi considerado santo pela Igreja Católica, transcendeu sua região, e as pessoas começaram a atribuir a ele todo tipo de milagres e lendas. Em meados do século 13, a comemoração do dia de São Nicolau passou da primavera para o dia 6 de dezembro, e sua figura foi relacionada com as crianças, a quem deixava presentes vestido de bispo e montado em burro. Na época da Contra-reforma, a Igreja católica propôs que São Nicolau passasse a entregar os presentes no dia 25 de dezembro, tal como fazia o Menino Jesus, segundo a tradição destes tempos e que ainda hoje continua em alguns pontos da América Latina. 

Os holandeses, no século 17, levaram para os Estados Unidos a tradição de presentear as crianças usando a lenda de São Nicolau – a quem eles chamavam Sinter Klaas. Os verdadeiros impulsores do mito de Santa Claus – nome que o Papai Noel recebeu nos Estados Unidos – foram dois escritores de Nova York. O primeiro, Washington Irving, escreveu em 1809 um livro em que São Nicolau já não usava a vestimenta de bispo, transformando-o em um personagem bonachão e bondoso, que montava um cavalo voador e jogava presentes pelas chaminés. Em 1823, um poema de um professor universitário, Clement C. Moore, enalteceu a aura mágica que Irving havia criado para a personagem, trocando o cavalo branco por renas que puxavam um trenó. 
Ao longo do século 19, Santa Claus foi representado de muitas maneiras. Ele teve diferentes tamanhos, vestimentas e expressões, desde um gnomo jovial até um homem maduro de aspecto severo. Em 1862, o desenhista norte-americano de origem alemã Thomas Nast realizou a primeira ilustração de Santa Claus descendo por uma chaminé, embora ainda tivesse o tamanho de um duende. Pouco a pouco ele começa a ficar mais alto e barrigudo, ganhar barba e bigode brancos e a aparecer no Pólo Norte. 
O símbolo de Santa Claus foi logo utilizado pela publicidade comercial. Em 1931, a Coca-Cola encomendou ao artista Habdon Sundblom a remodelação do Santa Claus de Nast para torná-lo ainda mais próximo. Sundblom se inspirou em um vendedor aposentado e assim nasceu – de uma propaganda da Coca-Cola! – o Papai Noel que a gente conhece. 

(FONTE: Imagens e Riscos de Natal)

Dia de Natal

Como se diz Feliz Natal em várias línguas:

– Albanês – Gëzuar Krishtlindjet
– Alemão – Frohe Weihnachten
– Armênio – Shenoraavor Nor Dari yev Pari gaghand
– Basco – Zorionak
– Búlgaro – Весела Коледа
– Catalão – Bon Nadal
– Coreano – Chuk Sung Tan
– Croata – Sretan Božić
– Dinamarquês – Glædelig jul
– Eslovaco – veselé Vianoce
– Espanhol – ! Feliz Navidad
– Esperanto – Gajan Kristnaskon
– Estoniano – Häid jõule
– Finlandês – Hyvää joulua
– Francês – Joyeux Noël
– Grego – Καλά Χριστούγεννα
– Inglês – Merry Christmas
– Italiano – Buon Natale
– Japonês – Merii Kurisumasu (adaptado do inglês)
– Mandarim – Kung His Hsin Nien
– Neerlandês – Prettig Kerstfeest
– Norueguês – God Jul
– Romeno – Crăciun fericit
– Russo – S prazdnikom Rozdestva Hristova
– Sueco – God Jul
– Tcheco – Veselé Vánoce
– Turco – Mutlu Noeller
– Ucraniano – Srozhdestvom Kristovym

Foto: Bela Gregório

 

Próstata – Principais problemas que acometem – Drauzio Varela

Casal maduro

Dr. Miguel Srougi é médico, professor de Urologia na Escola Paulista de Medicina da UNIFESP, Universidade Federal de São Paulo. É autor do livro “Próstata: Isso É Com Você”, lançado pela Publifolha e dirigido ao público leigo.

Pela proximidade, problemas na próstata acabam afetando a bexiga e a uretra

A próstata é uma glândula que tem o tamanho aproximado de uma castanha e produz o líquido espermático ou esperma, substância que contém nutrientes e serve de veículo para os espermatozoides chegarem até o óvulo. Ela se localiza muito perto da bexiga, um órgão muscular que se distende à medida que a urina se acumula em seu interior. Da bexiga sai a uretra, um canal longo que atravessa a próstata e o pênis até ganhar o meio exterior. A proximidade entre esses órgãos faz com que qualquer problema que afete a próstata acabe repercutindo na bexiga e na uretra.

Hiperplasia e câncer de próstata são patologias frequentes na vida adulta do homem. A hiperplasia caracteriza-se pela multiplicação benigna das células prostáticas. Quando isso acontece, o aumento da próstata comprime bexiga e uretra e provoca dois sintomas. O primeiro é a dificuldade para urinar. A pessoa é obrigada a fazer esforço para vencer a passagem comprometida pela compressão da glândula, o jato urinário fica mais fino e perde a potência. O segundo é a redução da capacidade de a bexiga reter urina. Quem tem hiperplasia de próstata urina com maior freqüência, especialmente à noite o que pode comprometer a qualidade do sono.

A hiperplasia é uma lesão benigna. Já no câncer de próstata, as células prostáticas perdem a inibição, crescem e invadem os tecidos vizinhos.  O câncer é um processo maligno que traz consigo uma série de outros problemas.

Drauzio – Como funciona a próstata no decorrer da vida do homem?

Miguel Srougi – A próstata é uma glândula que se situa na saída da bexiga e produz esperma, o líquido que transporta os espermatozoides até o meio exterior. Por isso, ela tem uma função biológica relevante na fase reprodutora do homem, naquela em que quer ter filhos. A partir dos 40 anos de idade, seu papel se transforma. Ela passa a ser um órgão indesejável por causa do crescimento benigno que ocorre em 80%, 90% dos homens adultos. Esse crescimento não provoca complicações mais sérias, mas prejudica a qualidade de vida em razão do aparecimento de transtornos para urinar.

Drauzio – Não é um contrassenso um órgão que vai perdendo a função, em vez de atrofiar, ir aumentando de tamanho? Por que a próstata hipertrofia com a idade?

Miguel Srougi – São coisas que a natureza criou e que talvez nem a teoria evolucionista explique. É possível que nossos irmãos do futuro até percam a próstata após a fase reprodutora, mas por enquanto ela causa transtornos aos homens. Infelizmente, além do crescimento benigno, é sede de um câncer muito comum. Um terço dos tumores que se originam no organismo do homem partem da próstata. Essa alta prevalência torna a glândula bastante inconveniente e gera problemas que preocupam os médicos e a respeito dos quais a população masculina está começando a tomar consciência.

Drauzio – Em que fase da vida começa a ocorrer a hiperplasia, ou seja, o aumento benigno do volume da próstata?

Miguel Srougi – Ela se inicia por volta dos 40 anos. Por isso, a partir dos 50 começam a surgir problemas urinários em 80%, 90% dos homens, como a dificuldade para expelir a urina e a necessidade de levantar várias vezes numa noite para ir ao banheiro. Embora esse quadro não tenha nenhuma implicação futura para o doente, prejudica sua qualidade de vida naquele momento.

Drauzio – Quais são os principais sintomas da hiperplasia?

Miguel Srougi – O sintoma prevalente é a perda da força do jato. Isso os homens toleram bem. O que mais os incomoda, no entanto, é o aumento da frequência urinária porque compromete sua rotina de vida. O indivíduo é obrigado a sair mais de uma vez de uma reunião importante para ir ao banheiro, ou começa a acordar muito durante a noite para urinar e levanta cansado no outro dia.

Drauzio – Como fica o volume urinário com o aumento do número de micções?

Miguel Srougi – O volume urinário fica menor porque a bexiga perde um pouco a complacência.

Drauzio – Quem corre maior risco de apresentar hiperplasia de próstata?

Miguel Srougi – Existem três fatores de risco que levam ao crescimento benigno da próstata: história familiar, pele negra e ingestão de gorduras. Quem tem pai ou irmão com hiperplasia, apresenta três vezes mais possibilidade de desenvolver o problema do quem não tem.

Drauzio – A próstata não provoca problemas exclusivamente na velhice. Adolescentes podem ter problemas de próstata, as prostatites. O que são prostatites e quais as causas mais freqüentes?

Miguel Srougi – Em termos de saúde pública, trata-se de um problema menos relevante. Prostatite é uma infecção da próstata provocada por bactérias do intestino que a contaminam. É um problema que atinge adultos jovens e causa desconforto local, dor na região genital e dificuldade para urinar. Felizmente, a prostatite responde bem ao tratamento com medicações especificas, em especial, os antibióticos. Alguns homens podem até ficar com manifestações crônicas, mas que não têm maiores implicações.

Drauzio – Prostatites podem comprometer a capacidade de ereção?

Miguel Srougi – A próstata está ligada a certas fantasias negativas que surgem na cabeça do homem, principalmente, ao risco de ver perturbada a função sexual. É uma suposição falsa. A próstata nada tem a ver com a função sexual. Tem a ver com a função reprodutora, com a capacidade de o homem ter filhos. O nervo da ereção que passa do lado da próstata raramente é afetado, mesmo quando existe uma doença nessa glândula. Nos casos de câncer, tratamento que demande intervenção cirúrgica no local e radioterapia podem provocar lesões nesse nervo e isso, sim, irá comprometer a atividade sexual. Quero enfatizar, entretanto, que nem as prostatites, nem o câncer, quer benigno quer maligno, interferem com o mecanismo da ereção.

Drauzio – A prevenção do câncer de próstata envolve o toque retal, mas os homens costumam resistir a esse procedimento. Qual é sua experiência a respeito do assunto?

Miguel Srougi – O diagnóstico do câncer de próstata é feito de duas formas: pelo toque retal e pelo exame de sangue chamado PSA (antígeno prostático específico), uma proteína que só a próstata produz e que se eleva muito nos casos de câncer.

Na cabeça dos homens existe a fantasia de que o exame de PSA é suficiente para o controle preventivo do câncer. Na realidade, não é. Ele falha em 20% dos casos. Embora o de toque falhe em 35%, fazendo os dois juntos a probabilidade de deixar escapar um problema cai para 8%. Portanto, um exame não exclui o outro. Ao contrário, um complementa o outro na realização do diagnóstico.

Os homens relutam em fazer o toque retal por dois motivos: primeiro, por preconceito cultural típico do machismo latino. Segundo, por medo de sentir dor. Eles são muito mais medrosos do que a mulher, que enfrenta melhor qualquer situação dolorosa. O tempo me ensinou, porém, que o preconceito já não é tão forte como antes. Eles resistem, fazem piadas, acham ruim, mas acabam se submetendo ao exame de toque e no ano seguinte vêm tranquilos repetir o exame porque perceberam que não dói.

Drauzio – Vamos aproveitar e  explicar como é feito o exame de toque. Introduzindo um dedo médio no reto do paciente, o médico palpa a próstata. O que ele examina quando toca a próstata?

Miguel Srougi – O câncer de próstata quase sempre aparece na face posterior da próstata. É aí que ele cresce. Com o toque retal, o médico sente se há áreas endurecidas na próstata que é um órgão de consistência mole. Quando surge o câncer, ela adquire a consistência do osso dos dedos dobrados da mão. Dessa forma, é possível perceber nitidamente quando se trata de hiperplasia, ou crescimento benigno da próstata, ou de áreas duras que sugerem a presença de câncer. Nesse caso, o passo seguinte é fazer uma biópsia para verificar se o tumor é realmente maligno.

Drauzio – Como é feita a biópsia?

Miguel Srougi – A biópsia é feita com um agulha que entra pelo reto. É um exame que cria um certo desconforto, mas os médicos, cientes desse problema, o fazem sob pequena sedação do paciente. Ele dorme três minutos, tempo suficiente para colher o material para análise. Depois, o homem volta para casa ou vai trabalhar normalmente.

Drauzio – A biópsia só é feita quando há alguma suspeita de tumor?

Miguel Srougi – A biópsia é feita quando o exame de toque retal dá alterado e/ou o nível de PSA está muito alto. É importante ressaltar que o fato de o PSA estar elevado não indica necessariamente um câncer. Alguns doentes com crescimento benigno da próstata e outros com pequenos focos de infecção nesse órgão produzem mais PSA do que deveriam. No entanto, é fundamental que um homem com níveis elevados de PSA procure um médico para diagnóstico preciso.

Drauzio – Há uma recomendação de que todos os homens acima dos 50 anos façam exame de próstata. Por que acima dessa idade especificamente?

Miguel Srougi – A preocupação dos médicos é basicamente o câncer de próstata, uma vez que, em cada seis homens, um vai apresentar a doença. Câncer de próstata não produz sintomas na fase inicial, exatamente a fase em que o interesse no diagnóstico é maior, porque a doença é curável. Disso advém a importância do exame preventivo.

Como não produz sintomas, o tumor pode crescer de forma silenciosa e, quando é descoberto, em geral, já atingiu os tecidos vizinhos e a possibilidade de cura cai muito. Só para dar uma idéia, se o tumor ainda estiver contido pela glândula, é curável em 90%, 95% dos casos. Se escapar dali, mesmo antes de se espalhar, só por atingir os tecidos vizinhos, a chance de cura cai para 35%.

Sobre isso, existem dados interessantes nos Estados Unidos. Na década de 1960, 60% dos casos de câncer de próstata eram identificados já em fase avançada, com tumores disseminados pelo organismo. Depois das campanhas de prevenção, apenas de 6% a 10% dos doentes procuram assistência inicial com o câncer espalhado, ou seja, com metástases. Isso mostra como a medicina, enfocando o problema seriamente, conseguiu ajudar os homens em termos de saúde pública.

Drauzio – O hormônio masculino tem algum peso nas patologias da próstata?

Miguel Srougi – Durante algum tempo, imaginou-se que a testosterona pudesse causar hiperplasia. Hoje, se sabe que não. O hormônio masculino não causa nem crescimento exagerado da próstata nem câncer, outro mito que existia.

Há homens que fazem reposição hormonal com testosterona com a idéia falaciosa de que ela melhora a atividade intelectual, a força física, a potência sexual e produz rejuvenescimento. Na verdade, a testosterona só melhora a massa muscular e aumenta um pouquinho a libido, isto é, o apetite sexual. O resto é pura fantasia.

O hormônio sexual masculino não causa câncer nem hiperplasia. No entanto, se o indivíduo tiver um pequeno foco de câncer na próstata e tomar testosterona, o crescimento do tumor será muito mais rápido. Por isso, ninguém deve tomar testosterona sem antes procurar um médico para ter certeza de que não é portador de doença maligna na próstata. Se isso ficar esclarecido e ele decidir tomar o hormônio, deve fazer exames preventivos periódicos e com regularidade.

Drauzio – Se em cada seis homens um vai ter câncer de próstata, dando testosterona para cem homens, a incidência da doença será alta, porque o tumor vai crescer mais depressa em 17% deles.

Miguel Srougi – Por isso, pessoalmente condeno o uso rotineiro e indiscriminado da testosterona. Só vale a pena indicá-la nos casos de grande deficiência desse hormônio.

A casuística que possibilitou chegar à porcentagem citada em sua pergunta é americana. No Brasil, os números que parecem ser um pouco mais favoráveis e animadores, a meu ver, não são consistentes. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), que é formado por pessoas de alto valor e grande empenho, em 2003, irão surgir 35.000 novos casos de câncer de próstata em nosso país. Nos Estados Unidos, estão esperando 220.000.

O que justificaria tamanha discrepância entre os dois índices? Na verdade, acho que a incidência de câncer de próstata no Brasil é igual à americana. Se fizermos uma biópsia em cem homens americanos com mais de 50 anos, descobriremos que 5% deles têm câncer de próstata. Se fizermos o mesmo exame em cem brasileiros, o resultado será idêntico, só que aqui a previsão é de 35.000 casos porque existe uma subnotificação. O INCA não consegue computar o número de casos porque os médicos não notificam. Para ter uma idéia, vejo 40, 50 casos por mês que não são registrados em lugar nenhum.

Mais perverso do que isso é a indigência de nosso sistema de saúde. Muitos homens brasileiros desenvolvem a doença e entram em padecimento porque não são diagnosticados nem têm acesso ao sistema de saúde pública para o diagnóstico precoce da doença.

Drauzio – Quais são os homens com maior risco de apresentar câncer de próstata?

Miguel Srougi – Exames de toque e de PSA são especialmente importantes para as pessoas com maior risco de câncer: homens com história familiar da doença, negros e indivíduos com dieta excessivamente gordurosa.

Nos Estados Unidos, pesquisas mostram que os negros têm três vezes mais câncer de próstata do que os brancos. No Brasil, um trabalho realizado pelo Dr. Edson Pasqualin, no pequeno município de Ipirá, na Bahia, com 470 homens submetidos à biópsia, demonstrou que a incidência de câncer de próstata foi 9 vezes maior nos negros do que nos brancos.

Outro grupo de risco é constituído pelos indivíduos com histórico familiar da doença. Se a pessoa tiver pai, irmão ou os dois com câncer de próstata, o risco de desenvolver a doença aumenta de duas a cinco vezes. Nesses casos familiares, entretanto, o câncer costuma ser um pouco menos agressivo.

Ao terceiro grupo de risco pertencem os indivíduos que comem muita gordura. No norte da Europa e nos Estados Unidos, lugares em que a ingestão de gordura é alta, o câncer de próstata é sete vezes mais comum do que no Japão ou na China, países em que a população se alimenta basicamente de peixes e cereais.

Trabalho interessante foi realizado nos Estados Unidos em ratinhos com câncer de próstata induzido experimentalmente. Um grupo recebeu dieta com 2% de gordura e o outro, com 40%. O tumor dos que receberam dieta mais gordurosa demonstrou ser quatro vezes mais volumoso do que o tumor dos que receberam pouca gordura e espalhou-se pelos outros tecidos do organismo

FONTE- http://drauziovarella.com.br