CIÚME DE VOCÊ…

http://ednene.files.wordpress.com/2008/07/ciumes.jpg

Em questões de ciúme, a linha divisória entre imaginação, fantasia, crença e certeza freqüentemente se torna vaga e imprecisa. No ciúme as dúvidas podem se transformar em idéias supervalorizadas ou francamente delirantes. Depois das idéias de ciúme, a pessoa é compelida à verificação compulsória de suas dúvidas. O(a) ciumento(a) verifica se a pessoa está onde e com quem disse que estaria, abre correspondências, ouve telefonemas, examina bolsos, bolsas, carteiras, recibos, roupas íntimas, segue o companheiro(a), contrata detetives particulares, etc. Toda essa tentativa de aliviar sentimentos, além de reconhecidamente ridícula até pelo próprio ciumento, não ameniza o mal estar da dúvida.

Os ciumentos estão em constante busca de evidências e confissões que confirmem suas suspeitas mas, ainda que confirmada pelo(a) companheiro(a), essa inquisição permanente traz mais dúvidas ainda ao invés de paz. Depois da capitulação, a confissão do companheiro(a) nunca é suficientemente detalhada ou digna e tudo volta à torturante inquisição anterior.

Os portadores de Ciúme Patológico comumente realizam visitas ou telefonemas de surpresa em casa ou no trabalho para confirmar suas suspeitas. Os companheiros(as) vivem dissimulando elogios e presentes recebidos ou omitindo fatos e informações na tentativa de minimizar os graves problemas de ciúme, mas geralmente agravam ainda mais.

O que aparece no Ciúme Patológico é um grande desejo de controle total sobre os sentimentos e comportamentos do companheiro(a). Há ainda preocupações excessivas sobre relacionamentos anteriores, as quais podem ocorrer como pensamentos repetitivos, imagens intrusivas e ruminações sem fim sobre fatos passados e seus detalhes.

O Ciúme Patológico é um problema importante para a psiquiatria, que envolve riscos e sofrimentos, podendo ocorrer em diversos transtornos mentais. Na psicopatologia o ciúme pode se apresentar de formas distintas, tais como idéias obsessivas, idéias prevalentes ou idéias delirantes sobre a infidelidade. No Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC), o ciúme surge como uma obsessão, normalmente associada a rituais de verificação.

CUIDADO COM O CIÚME… !

Elisabete Cunha

24/09/08

Usei como referência o texto baseado no artigo:
Ballone GJCiúme Patológico – in. PsiqWeb, Internet

 

Anúncios

11 pensamentos sobre “CIÚME DE VOCÊ…

  1. Oi Elisabete,

    Tudo bem? Escolhemos o mesmo template para o blog.
    Sobre o ciúme, não nego sou ciumenta, mas controlo.
    A minha monografia da facul foi sobre ciúme patológico.

    Besitos

  2. Desculpe Elisabete mais fiquei sem internet, em momento algum é meu interesse dar volta em alguem até porque nao gosto que aconteça comigo, vou adicionar seu blog em todos os meus e gostaria muito que voce adicionasse novamente meus blogs no seu, nao fique chateada comigo , de forma alguma eu iria quere enrolar voce, estarei adicionando agora seu link e sinceramente espero que voce faça o mesmo…
    Mais um vez desculpe

  3. Muito bom este post, Betinha! O ciúme realmente faz a pessoa parar de viver sua vida em função da vida do outro. Isso não é nada bom e acaba por criar um ser humano inseguro e isolado. Para sermos felizes com outro, temos que ser felizes primeiramente conosco mesmo.

    Bjão!!

  4. Vejo o ciúme como a falta de confiança em si mesmo. Se a pessoa está segura do que é, não precisa desconfiar do outro.

    Ah, mas o outro pode dar suas escapadinhas, diriam muitos. Bom, não podemos julgar os outros pelo que nós somos. E se o outro pode escapar quando não vigiado, pq está com ele? Não entendo.

    A vida é tão boa quando somos livres!!!!

  5. Já senti, Bete e muito. Não é patológico porque nunca tinha sido assim em outra relação. Mas, eu nem me reconhecia, de certa forma as minhas desconfianças tinham pé e cabeça, ah e corpo também. Aprendi muito, sofrendo e taí uma coisa que não quero mais pra mim. Um beijo, querida e ótima semana.

  6. Há quem diga que um pouquinho de ciúme não faz mal a ninguém. Alguns até afirmam que ele apimenta um relacionamento. O problema é quando o “pouquinho” perde a medida e vira uma rotina no namoro, casamento, família e até mesmo nas amizades, fazendo com que as pessoas envolvidas sofram por causa disso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s