Arquivo | setembro 2008

NÃO ME DEIXE SÓ!


Nascimento de Vénus – Por William A. Bouguereau. Retratando a esteriótipo de beleza do século XIX

Não me deixe só
Eu tenho medo do escuro
Eu tenho medo do inseguro
Dos fantasmas da minha voz…

Não me deixe só
Tenho desejos maiores
Eu quero beijos intermináveis
Até que os olhos mudem de cor…

Não me deixe só
Eu tenho medo do escuro
Eu tenho medo do inseguro
Dos fantasmas da minha voz…

Não me deixe só
Que o meu destino é raro
Eu não preciso que seja caro
Quero gosto sincero de amor…

Fique mais
Que eu gostei de ter você
Não vou mais querer ninguém
Agora que sei quem me faz bem…

Não me deixe só
Que eu saio na capoeira
Sou perigosa
Sou macumbeira
Eu sou de paz
Eu sou do bem, mas…

Não me deixe só
Eu tenho medo do escuro
Eu tenho medo do inseguro
Dos fantasmas da minha voz…

Fique mais,
Que eu gostei de ter você
Não vou mais querer ninguém
Agora que sei quem me faz bem…

Não me deixe só
Que eu saio na capoeira
Sou perigosa
Sou macumbeira
Eu sou de paz
Eu sou do bem, mas…

Não me deixe só
Eu tenho medo do escuro
Eu tenho medo do inseguro
Dos fantasmas da minha voz…

BELA MULHER!

https://i2.wp.com/popper.no.sapo.pt/mulheres-perfeitas-poster01.jpg

 

Mulher é o mais avançado dos SERES vivos. É o que diz o zoólogo Desmond Morris, estudioso da espécie Homo sapiens.

Retirado da matéria da revista Super Interessante edição de julho de 2005, pág. 46.

Fiz cortes, sínteses e comentários relacionados as mesmas. Texto original por: Marcos Nogueira

Em seu mais novo livro, A Mulher Nua, Desmond Morris descreve e estuda o corpo feminino da cabeça aos pés – literalmente – para defender sua idéia de que a mulher é “o mais extraordinário organismo biológico do planeta Terra”. O autor atribui o secusso de nossa espécie, a um processo evolucionário chamado neotenia, que seria a manutenção de características infantís no indivíduo adulto, peculiaridade do Homo sapiens. Ou seja, não paramos de brincar quando adultos, ao contrário das outras espécies, só mudamos o nome das brincadeiras para arte, pesquisa, música, poesia… A neotenia se manisfesta de formas variadas no homem e na mulher. Enquanto ele é mais infantil no comportamento – conservando o elemento de risco da brincadeira -, ela incorpora mais característicaas de crianças ao corpo adulto. A vantagem do corpinho de criança é clara. A evolução progamou o macho para defender a prole. Assim, ela preservou a voz aguda, o rosto liso, as formas curvilíneas. Porém a neotenia é só uma das ferramentas evolutivas que moldaram o corpo feminino. Explore cada pedaço da mulher nua (e poeticamente bela) e entenda:

Bochechas: A ausência de barba é um dos sinais mais visíveis da distinção de gênero entre humanos. Se a mulher nunca chega a ter um rosto peludo (ainda bem não é?), é para manter a aparência de criança que precisa de proteção. Segundo o autor, bochechas coradas remetem sinal de virgindade. “A mulher que cora diante de uma comentário de conotação sexual obviamente tem consciência de sua sexuallidade, mas ainda preserva certa ignorância.” Mulheres assim geralmente são jovens: eis por que a maquiagem facial, quase sempre descarrega tons avermelhados na face.

Lábios: Nos animais, os lábios humanos são os únicos curvados para fora. Nossos lábios não são apenas infantís, são embrionários: eles têm a forma de lábios de um feto de chimpanzé de 16 semanas. Caracaterística que se mostra bastante útil pára sugar o leite dos seios também exclusivas da fêmea humana. Num homem adulto, os lábios se tornam um tanto mais esticados e finas; mas na mulher, os lábios se mantêm carnudos e macios…Prontos para serem beijados. A conotação sexual da boca, vem de outros lábios peculiares as fêmeas, os lábios vaginas – que não se chamam lábios à esmo. A semelhança está na forma, textura e coloração, e todos os lábios da mulher agem da mesma forma com excitação sexual: ficam mais túrgidos, mais rubros e sensíveis. As mulheres não tardaram a descobrir essa vantagem e usa-lá a seu favor (como sempre, somos espertas…) – O batom vermelho surgia no antigo Egito, com as prostitutas sem clientela.


Pescoço: O pescoço feminino e mais longo e delgado que o masculino – em decorrência do torax mais curto das mulheres e da compleição mais musculosa dos homens. De um jeito ou de outro, pescoços esquios sempre foram sinal de feminilidade e sensualidade.Tal característica levada ao extreme pelas mulheres Pa-dang, da Birmânia, que aumentam seus prescoços desde pequenas com aros de metal.

Seios:São 2. E são únicos [ bem,muita gente anda comprando outros , eu ainda não…]. Além de produzirem leite para prole, despertam interesse erótico no macho. Coisa que não ocorre em nenhuma outra espécie – após o período de lactação, as tetas das fêmeas simplesmente desaparecem. Nas mulheres, não: as mamas até aumentam quando cheias de leite, mas continuam protuberantes mesmo quando o não nenhum bebê para alimentar. Esses seios são uma artimanha da evolução para estiular a procriação. Seios protuberantes simulam os sinais sexuais emitidos pelas nádegas – algo oportuno para para quem assumiu uma postura ereta e é quase sempre vista de frente. O par de seios permiti manter a sensualidade emitida pelas nádegas, mesmo sem dar as costas ao interlocutor.

Cintura: A razão de homens serem atraídos por mulheres de cintura fina e tão simples quanto cruel: depois do primeiro parto, essa parte do corpor se expande irremedialvelmente. “Mesmo que ela consiga com um regime alimentar rigoroso, recuperar o corpo esbelto que tinha antes da gravidez, a cintura nunca vai ser tão fina”, afirma Morris. Segundo ele, depois de vários partos a circunferência da cintura da mulher aumenta de 15 a 20 cm. Portanto, uma cintura de pilão da ao homem a impressão de estar diante de uma de uma fêmea que ainda não desempenhou sua função de reprodutora – o que, em tempos primitivos, significava o mesmo que mulher virgem.

Genitais:Comparada ao aparelho de nosso parentes mais próximos – os símios – a genitália da fêmea humana apresenta uma sensacional evolução: a capacidade de produzir prazer. Usemos como exemplo o coito entre 2 babuínos: o pênis entra e sai em média 6 vezes da vulva, numa performance qeu não costuma durar mais de 8 segundos. A macaca não tem tempo nem de pensar num orgasmo. Se a coisa é diferente na nossa espécie, isso não se deve apenas à extrema sensibilidade dos tecidos genitais femininos – algumas peculidaridades do pênis humano também ajudam. Macacos não conhecem o que chamamos de ereção: seus orgãos são finos e sustentados por ossos. Já o nosso aparato desossado fica pronto para o uso somente quando a excitação manda para lá um suprimento extra de sangue. Isso alonga o pênis, mas é o aumento do calibre que realmente faz a diferença. A pressão do pênis nas paredes váginais e a sensibilidade de todo o parelho genital. O clímax de tudo isso é o orgasmo. Bonito não?


Bunda: Dentre todos os animais, os humanos são os únicos dotados de bunda avantajada. Isso porque também somos os únicos mamíferos a andar sobre 2 patas o tempo todo – os fortes músculos glúteos são essenciais para que possamos adotar essa postura. Em especial nas mulheres, as nádegas exercem também um forte (fortíssimo, gigantesco, colossal…) apelo sexual. A bunda feminina difere da masculina em 3 pontos essenciais: é maior, mais empinada e rebola . Não é preciso dizer o quanto essas qualidade agradam os homens. Não se sabe ao certo por que, mas Morris lavanta a hipótese: como nossos ancestrais andavam quase sempre de 4 e sempre copulavam por trás (você já viu cachorro fazendo vuco-vuco de frente? aposto que não), os sinais sexuais eram naturalmente, emitidos pela reta-guarda feminina (BUNDA, em caixa ‘grande’ e sem censura). Quando assumimos a postura ereta e desenvolvemos os músculos glúteos, as formas arredondadas das nádegas substituiram esse sinal primitivo. “As mulheres com grandes traseiros enviavam fortes sinais sexuais, e com isso, as nádegas iam crescendo através das gerações”, diz o autor. Segundo ele, as mulheres passaram a ter superbundas a ponto de atrapalhar a cópula – o que teria propiciado o nascimento do coito frontal e o surgimento dos seios como sinal sexual alternativo na frente do corpo feminino e como consequente, aumento dos seios e diminuição das nádegas.

Pernas:A atração dos homens por pernas femininas é tão grande (só de falar vocês já sentiram as formigas genitais né ? homens…) que existem revistas especializadas em atender à demanda por esse tipo de fetiche. A principal razão disso é geométrica: ao olhar os segmentos de pernas, um homem inevitávelmente imagina o vértice, o ponto onde elas se cruzam (fato). “É quase como se, no recesso na mente do homem, o par de pernas funcionasse como uma placa que indica o caminho para a ‘terra prometida’”, afirma Desmond Morris. Pernas longas são particularmente queridas pelo imaginário masculino por serem um sinal de maturidade sexual: nas mulheres adultas os membros inferiores são, em comparação ao tronco, mais compridos que os das crianças.

Pés: Como não precisavam percorrer grandes distâncias atrás de caça na pré-história, as mulheres acabaram dotadas de pés menores que os dos homens – mesmo proporcionalmente ao corpo. Assim, pés pequenos são associados a feminilidade. Esse é o motivo de mulheres de comportamento masculinizado serem chamadas de “sapatão” e é também uma fonte de constrangimento para meninas cujos pés se desenvolvem mais rápido que o resto do corpo. Para terem pés considerados femininos, as mulheres desde sempre tem se submetido a torturas. A mutililação de garotas chineses, que tinham seus pés enfaixados para que parecem de crescer, é só um extremo. Os sapatos estreiros e de salto alto – a elevação do calcanhar faz com que pareça mais curto – estão aí para provar.


Nota: Estou com preguiça de rever o texto, erros de português e pérolas devem ser ignorados.

Nota 2: Comentários idiotas entre parênteses, não estavam presente no texto original e são de minha autoria.

Nota 3: O texo acima (com exceção das Notas), não reflete necessáriamente minha opinião. Farei um comentário pessoal depois…

Nota 4: Eliminei do texto alguns tópicos relacionados às mãos, nariz, pelos púbicos, cabelos e quadris. Quem quiser ler a matéria na integra, se vira…

 

CERTEZAS – Ricardo Soares

Tumblr_lrjeilnfcl1qzgajlo1_500_large

Se eu tivesse certezas acordaria todos os dias e desejaria um bom dia aos meus desafetos.

Se eu tivesse certezas eu acreditaria em pátria, família , Deus e liberdade e na força da força de vontade.

Se eu tivesse certezas só pegava o atalho certo, seguia sinais, respeitava sempre pois seria respeitado.
Se eu tivesse certezas faria coro com a auto-ajuda , não caçoaria da psicanálise, acreditaria que toda

forma de oratória vale a pena.

Se eu tivesse certezas eu não erraria, não apostaria no cavalo errado ,não fustigaria , não olharia para trás

e saberia sempre o que vai ser lá na frente.
Mas se eu tivesse certezas e não tantas dúvidas que graça teria o presente, que graça teria o imponderável,

o fator surpresa , a gota que transborda o copo d’água ?

Se eu tivesse certezas eu não teria tantas incertezas mas talvez isso não se chamasse vida e sim um

planejamento a longo prazo. Sem sal, sem açúcar , sem tempero.

Ricardo Soares, 27/09/ 08

Tumblr_ls08llwpvr1qmtqugo1_500_large

 

AFETIVIDADE VIRTUAL?!@

https://i2.wp.com/www.pplware.com/wp-content/images/imagem_internet_navegar.jpg

Porque sentimos carinho, admiração, ternura e respeito por pessoas que nunca vimos na vida , como pode?

Isso realmente é algo que me deixa bastante curiosa , estava lendo um estudo feito pela  psicóloga  brasileira Alessandra dos Santos Menezes Dela . O estudo teve como finalidade contribuir para o entendimento de uma nova modalidade de relacionamento – o virtual. Dele participaram 50 usuários brasileiros da Internet, que responderam a um questionário contendo 31 questões sobre opiniões e comportamentos relacionados a afetividade e relacionamento virtual. A amostra foi composta, em sua maior parte, por homens, adultos jovens, solteiros, sem filhos, dos níveis socio econômicos médio e alto. Verificou-se que os sujeitos acreditam na possibilidade de relacionamentos virtuais em uma fase inicial, no entanto relataram necessidade do contato face a face para sua continuidade. Observou-se também alta freqüência de usuários de chats de conversação considerados viciados na Internet. A partir dos resultados obtidos, concluiu-se que não houve mudanças comportamentais e afetivas radicais com essa nova forma de relacionamento, mas os dados sugerem a importância de mais pesquisas para esclarecer as conseqüências do relacionamento virtual e do uso exagerado da Internet como forma de comunicação social.

Os relacionamentos através da Internet produzem uma inversão das relações sociais vistas pela sociologia clássica. Enquanto esta última afirmava que a relação social necessitava da materialidade, o ciberespaço, ao contrário, não condiciona a relação social ao contato face a face, mas a um sentimento coletivo, à lógica do estar-junto, mesmo num espaço desterritorializado. Há um redimensionamento do processo da relação interpessoal e social.

Num primeiro momento, os contatos sociais e interpessoais dão-se em nível virtual, cabendo a cada um dos envolvidos determinar sua continuidade. Num segundo momento, o relacionamento virtual pode, ou não, materializar-se na realidade, concretizando as relações iniciadas no ciberespaço. Os conflitos, as mentiras, os problemas e as decepções quando da relação materializada são de caráter subjetivo, dependendo do usuário e da maneira como ele lida e convive no ciberespaço. O usuário é responsável por suas ações e atitudes na esfera do virtual e posteriormente na realidade.

Finalmente, foi perguntado aos sujeitos se eles acreditavam que o namoro pela Internet poderia dar certo, ao que a maioria dos sujeitos (68%) respondeu afirmativamente, sendo interessante essa observação para a presente pesquisa.

” O namoro pela Internet pode dar certo, mas é preciso também que, com o tempo, o relacionamento saia das telas do computador e se torne real, porque ninguém vive somente de ilusões, ou seja, as pessoas têm todo o direito de se conhecer através da Internet, mas viverem somente em função dela para buscar se relacionar com alguém, se torna um fato bastante preocupante.” ;

” acho que devemos ter muito cuidado com esse tipo de relacionamento, porque às vezes a pessoa com a qual estamos nos relacionando pode passar uma impressão nem sempre verdadeira e por isso, a idealizamos de um jeito e quando a conhecemos, podemos ter uma frustração…” .

Observou-se que as pessoas entrevistadas acreditam nos relacionamentos virtuais enquanto estão estabelecendo contatos iniciais; no entanto, quando se perguntou se esse modo de relacionamento é considerado satisfatório, muitas pessoas relataram haver necessidade de um contato real para o desenvolvimento de um relacionamento mais sólido.

Concluindo, acredito que a Internet pode ser um maravilhoso meio de afetividade, ao mesmo tempo que pode virar um inferno. Devemos saber lidar com magnitude desse instrumento e extrair apenas o lado benéfico que pode nos proporcionar. Já conheci pessoalmente pessoas que eram virtuais e já tinham a minha afeição. Cabe á nós precavermos sempre, para não nos decepcionarmos gravemente.

Fonte:Psicologia em Estudo-

Psicóloga Alessandra dos Santos Menezes Dela

Ótima Semana!

Elisabete Cunha 29/09/08

 

 

Me gustas cuando callas – Pablo Neruda

Tumblr_lplsqppv6j1qbgirto1_500_large

 

Tumblr_lqn9cseltz1qk1cdoo1_500_large

O poeta chileno Pablo Neruda (1904-1973) e seu poema
integrante do livro “Veinte Poemas de Amor y una Canción Desesperada”,
Poema 15 “Me Gustas Cuando Callas..!”

 

Gosto quando te calas

Gosto quando te calas porque estás como ausente,
e me ouves de longe, minha voz não te toca.
Parece que os olhos tivessem de ti voado
e parece que um beijo te fechara a boca.

 

Como todas as coisas estão cheias da minha alma
emerge das coisas, cheia da minha alma.
Borboleta de sonho, pareces com minha alma,
e te pareces com a palavra melancolia.

 

Gosto de ti quando calas e estás como distante.
E estás como que te queixando, borboleta em arrulho.
E me ouves de longe, e a minha voz não te alcança:
Deixa-me que me cale com o silêncio teu.

 

Deixa-me que te fale também com o teu silêncio
claro como uma lâmpada, simples como um anel.
És como a noite, calada e constelada.
Teu silêncio é de estrela, tão longinqüo e singelo.

 

Gosto de ti quando calas porque estás como ausente.
Distante e dolorosa como se tivesses morrido.
Uma palavra então, um sorriso bastam.
E eu estou alegre, alegre de que não seja verdade.

 

 [Pablo Neruda]

Carpe Diem!

Mais sobre Pablo Neruda, clique aqui !

* Aproveito para agradecer pelas visitas ao nosso Blog Encanto de Renascer. Em apenas quatro meses de ativo, já recebeu  mais de13.712 visitantes! uauuuuu…

Elisabete Cunha

27/09/08

🙂

Quintana, Anjo Poeta!


Tumblr_lr9ylaxmhs1r31bejo1_500_large

“Eu Escrevi um Poema Triste”

Eu escrevi um poema

E belo, apenas da sua tristeza.

Não vem de ti essa tristeza

Mas das mudanças do Tempo,

Que ora nos traz esperanças

Ora nos dá incerteza…

Nem importa, ao velho Tempo,

Que sejas fiel ou infiel… Eu fico,

junto à correnteza,

Olhando as horas tão breves…

E das cartas que me escreves Faço barcos de papel!

( Mário Quintana )

 photo

Mario Miranda Quintana –Natural de Alegrete, RS. É o poeta das coisas simples. Despreocupado em relação à crítica, faz poesia porque “sente necessidade”, segundo suas próprias palavras. Em 1928 ingressou no jornal O Estado do Rio Grande. Após ter participado da Revolução de 1930, mudou-se para o Rio de Janeiro, retornando em 1936 para a Livraria do Globo, em Porto Alegre, onde trabalhou sob a direção de Erico Verissimo. Traduziu Charles Morgan, Rosamond Lehman, Lin Yutang, Proust, Voltaire, Virginia Woolf, Papini, Maupassant. Em sua poesia há um constante travo de pessimismo e muito de ternura por um mundo que, parece, lhe é adverso.

BOM DIA COM QUINTANA! CLICA!

Elisabete Cunha

26/09/08

Il_570xn.268614417_large

CIÚME DE VOCÊ…

http://ednene.files.wordpress.com/2008/07/ciumes.jpg

Em questões de ciúme, a linha divisória entre imaginação, fantasia, crença e certeza freqüentemente se torna vaga e imprecisa. No ciúme as dúvidas podem se transformar em idéias supervalorizadas ou francamente delirantes. Depois das idéias de ciúme, a pessoa é compelida à verificação compulsória de suas dúvidas. O(a) ciumento(a) verifica se a pessoa está onde e com quem disse que estaria, abre correspondências, ouve telefonemas, examina bolsos, bolsas, carteiras, recibos, roupas íntimas, segue o companheiro(a), contrata detetives particulares, etc. Toda essa tentativa de aliviar sentimentos, além de reconhecidamente ridícula até pelo próprio ciumento, não ameniza o mal estar da dúvida.

Os ciumentos estão em constante busca de evidências e confissões que confirmem suas suspeitas mas, ainda que confirmada pelo(a) companheiro(a), essa inquisição permanente traz mais dúvidas ainda ao invés de paz. Depois da capitulação, a confissão do companheiro(a) nunca é suficientemente detalhada ou digna e tudo volta à torturante inquisição anterior.

Os portadores de Ciúme Patológico comumente realizam visitas ou telefonemas de surpresa em casa ou no trabalho para confirmar suas suspeitas. Os companheiros(as) vivem dissimulando elogios e presentes recebidos ou omitindo fatos e informações na tentativa de minimizar os graves problemas de ciúme, mas geralmente agravam ainda mais.

O que aparece no Ciúme Patológico é um grande desejo de controle total sobre os sentimentos e comportamentos do companheiro(a). Há ainda preocupações excessivas sobre relacionamentos anteriores, as quais podem ocorrer como pensamentos repetitivos, imagens intrusivas e ruminações sem fim sobre fatos passados e seus detalhes.

O Ciúme Patológico é um problema importante para a psiquiatria, que envolve riscos e sofrimentos, podendo ocorrer em diversos transtornos mentais. Na psicopatologia o ciúme pode se apresentar de formas distintas, tais como idéias obsessivas, idéias prevalentes ou idéias delirantes sobre a infidelidade. No Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC), o ciúme surge como uma obsessão, normalmente associada a rituais de verificação.

CUIDADO COM O CIÚME… !

Elisabete Cunha

24/09/08

Usei como referência o texto baseado no artigo:
Ballone GJCiúme Patológico – in. PsiqWeb, Internet