Arquivo | junho 2008

O rosto da mulher madura – Affonso Romano de Sant’Anna

121_large

O rosto da mulher madura entrou na moldura de meus olhos.

De repente, a surpreendo num banco olhando de soslaio, aguardando sua vez no balcão. Outras vezes ela passa por mim na rua entre os camelôs. Vezes outras a entrevejo no espelho de uma joalheria. A mulher madura, com seu rosto denso esculpido como o de uma atriz grega, tem qualquer coisa de Melina Mercouri ou de Anouke Aimé.

Há uma serenidade nos seus gestos, longe dos desperdícios da adolescência, quando se esbanjam pernas, braços e bocas ruidosamente. A adolescente não sabe ainda os limites de seu corpo e vai florescendo estabanada. É como um nadador principiante, faz muito barulho, joga muita água para os lados. Enfim, desborda.

A mulher madura nada no tempo e flui com a serenidade de um peixe. O silêncio em torno de seus gestos tem algo do repouso da garça sobre o lago. Seu olhar sobre os objetos não é de gula ou de concupiscência. Seus olhos não violam as coisas, mas as envolvem ternamente. Sabem a distância entre seu corpo e o mundo.

A mulher madura é assim: tem algo de orquídea que brota exclusiva de um tronco, inteira. Não é um canteiro de margaridas jovens tagarelando nas manhãs.

A adolescente, com o brilho de seus cabelos, com essa irradiação que vem dos dentes e dos olhos, nos extasia. Mas a mulher madura tem um som de adágio em suas formas. E até no gozo ela soa com a profundidade de um violoncelo e a sutileza de um oboé sobre a campina do leito.

A boca da mulher madura tem uma indizível sabedoria. Ela chorou na madrugada e abriu-se em opaco espanto. Ela conheceu a traição e ela mesma saiu sozinha para se deixar invadir pela dimensão de outros corpos. Por isto as suas mãos são líricas no drama e repõem no seu corpo um aprendizado da macia paina de setembro e abril.

O corpo da mulher madura é um corpo que já tem história. Inscrições se fizeram em sua superfície. Seu corpo não é como na adolescência uma pura e agreste possibilidade. Ela conhece seus mecanismos, apalpa suas mensagens, decodifica as ameaças numa intimidade respeitosa.

Sei que falo de uma certa mulher madura localizada numa classe social, e os mais politizados têm que ter condescendência e me entender. A maturidade também vem à mulher pobre, mas vem com tal violência que o verde se perverte e sobre os casebres e corpos tudo se reveste de uma marrom tristeza.

Na verdade, talvez a mulher madura não se saiba assim inteira ante seu olho interior. Talvez a sua aura se inscreva melhor no olho exterior, que a maturidade é também algo que o outro nos confere, complementarmente. Maturidade é essa coisa dupla: um jogo de espelhos revelador.

Cada idade tem seu esplendor. É um equívoco pensá-lo apenas como um relâmpago de juventude, um brilho de raquetes e pernas sobre as praias do tempo. Cada idade tem seu brilho e é preciso que cada um descubra o fulgor do próprio corpo.

A mulher madura está pronta para algo definitivo.

Merece, por exemplo, sentar-se naquela praça de Siena à tarde acompanhando com o complacente olhar o vôo das andorinhas e as crianças a brincar. A mulher madura tem esse ar de que, enfim, está pronta para ir à Grécia. Descolou-se da superfície das coisas. Merece profundidades. Por isto, pode-se dizer que a mulher madura não ostenta jóias. As jóias brotaram de seu tronco, incorporaram-se naturalmente ao seu rosto, como se fossem prendas do tempo.

A mulher madura é um ser luminoso é repousante às quatro horas da tarde, quando as sereias se banham e saem discretamente perfumadas com seus filhos pelos parques do dia. Pena que seu marido não note, perdido que está nos escritórios e mesquinhas ações nos múltiplos mercados dos gestos. Ele não sabe, mas deveria voltar para casa tão maduro quanto Yves Montand e Paul Newman, quando nos seus filmes.

Sobretudo, o primeiro namorado ou o primeiro marido não sabem o que perderam em não esperá-la madurar. Ali está uma mulher madura, mais que nunca pronta para quem a souber amar.

Affonso Romano de Sant’Anna

5171484612_2fdcebc19d_large

BRASILEIRA COM MUITO ORGULHO!



 
Quem é a mulher brasileira?

Uma sonhadora, lutadora, empreendedora, resistente, persistente, vencedora, desbravadora, cientista, criativa, inovadora, revolucionária, trabalhadora, conquistadora, perseverante…

Queria ter palavras sufucientes e adequadas para listar todas as qualidades da mulher brasileira!

Precisaria de muito mais do que 365 dias para enumerar todo o talento e valor de cada uma!


Sinto orgulho de ser e de participar deste movimento de mobilização e valorização da mulher!

Acredito que a informação e a conscientização são ingredientes indispensáveis para fortalecer a imagem e a cultura, reconhecer nossos talentos naturais e principalmente, fazer justiça àquelas mulheres que nos dão diariamente exemplos de ousadia e coragem sendo ao mesmo tempo mulher, mãe e profissional, trabalhando para crescimento e desenvolvimento da família e desafiando crises, conflitos, limitações e dificuldades da sociedade brasileira.

 

Luiza Helena

Começo e Recomeço !

Mar77_large

Observo sempre a natureza, e vejo que tudo nela é recomeço.
No lugar da poda surgem os brotos novos.cheios de vontade de participar dessa mágica natural da vida.
Com a água, a planta renasce novamente . E com minha sede de vida,  vou fortalecendo a cada dia.Nada pára.
A própria terra se veste diferentemente todas as manhãs.  Até o cheiro dela se a chuva cai se diferencia.
Isso acontece também conosco.A ferida cicatriza, as dores desaparecem, a doença é vencida pela saúde, a calma vem após o nervosismo.O descanso restitui as forças. Só sinto muito por  POSSUIR um lado da minha personalidade , que assumo ser difícil de lidar. Detesto ingratidão e por ser assim tão agradecida a todas as pessoas que me consideram , não sei perdoar ingratidões.   A ferida da alma dói mais….
Infelizmente tenho esse defeito , sei que a mágoa um dia passará. Mas , já não faz mais parte dos meus pensamentos. A decepção tem o poder de transforma-se em indiferença.

28/06/08

53852284_azbwbukj_c_large


MINHA FERIDA ABERTA!(DENTRO E FORA)

jc-savior:

A vida pode ser injusta, mas lembre-se que existe um Deus justo que se levanta a favor daqueles que o temem.
.
Tenho em mim uma DOR!
Dor de ferida aberta,na realidade FERIDAS de dentro e de fora…
Mas quanto mais me dói, mais FORÇA tenho!
Com mais emoção fico! Dor insuportável que vou suportando, com grande calmaria.
E a vou retendo, guardada, só para mim. Torna-se em egoísmo desmedido e vai crescendo e crescendo…
Quero controlá-la!! Quero senti-la! Tenho que senti-la ,sei que é necessário senti-la…!
Sentir uma dor que nos foi provocada, que nos foi roubada de um outro sentimento VERDADEIRO e nos foi paga com FALSIDADE. Criada no vazio que ficou, no vácuo da alma e nos sonhos traídos pela realidade de uma INGRATIDÃO.
Permaneço calada e imóvel.
ASSUMO,tenho o GRAVE defeito de NÃO saber PERDOAR com facilidade, sentindo o desassossego de uma ferida que sangra e não estanca.
Está inquieta pelo sentimento de indiferença… e abre, rasga!
Vinga-se de mim! Vinga-se em mim! É o meu ser que luta contra ele próprio, que vai abrindo e fechando este arranhão, provocando a sensação de ardor cada vez mais forte e presente no ferimento de DENTRO .
No fundo tenho a certeza da cicatrização, cicatrizes que levarei como uma rica lição de VIDA e que me ensinará a defender-me  PARA  sempre de TRAIÇÕES e INDIFERENÇAS.
Continuo imóvel. … Tudo porque o meu vazio foi preenchido por algo… Algo que, de certo modo, me mantém viva. Estou preenchida pela dor que  me amadurece e pela vontade de VIVER… que me ENCORAJA e me torna cada vez mais FORTE! UFA…!
Foi um desabafo! Estou bem!
Estou levantando!
.
.
Deus não tarda, Deus não falha. Ele faz as coisas certas na hora que tem que ser.  My Only Excepions

Deus não tarda, Deus não falha. Ele faz as coisas certas na hora que tem que ser.


Dignidade!

É a intensidade com que você vive que faz a sua vida realmente valer a pena! É a sua decisão de acreditar que o seu poder pessoal está dentro de você – e nunca no outro – que faz com que o amor se transforme num caminho para a sua evolução e não num jogo onde ganha quem está “sempre por cima”…( muitas pessoas enxergam uma relação como um jogo frio , FALSO e calculista, não possuindo a dignidade de respeitar os sentimentos do outro, sem se importar com consequências ou considerações. Vão atropelando as relações cruelmente, ENCONTROS DE VIDA que poderiam até gerar uma amizade futura .) Se você foi vítima de uma relação assim ,esqueça esse relacionamento não valia a pena, ele(A) não te merecia. Isso é uma grande perda de tempo! Um enorme desperdício de energia, sentimento e possibilidades.

Dê dignidade ao seu amor, assim como a tudo que faz parte de você. Seja a sua dor, o seu desespero, a sua falta de autoconfiança, o seu medo de não conseguir… Não importa: que você seja digno enquanto chora e enquanto ri. Enquanto ama e enquanto perde o seu amor. Que você possa ter autoridade sobre seu coração durante todos os dias de sua vida, porque depois dos momentos mais difíceis que você passar, restará apenas isso: a sua dignidade e, sobretudo, a sua capacidade de recomeçar e amar novamente… sempre de uma maneira nova, mais inteira, mais você!

Respeite seus SENTIMENTOS! SE RESPEITE! 🙂

Elisabete Cunha

24-06-08

Tumblr_lr26korn9i1qjl02uo1_500_large

Indiferença

Tumblr_llum2qdir61qir8qlo1_500_large

 

O que é indiferença?

Seria um desvio de comportamento, um costume, uma forma de sobrevivência, um mecanismo de defesa, de resistência, ou conseqüência do egoísmo e do medo? O fato é que todos nós, uns mais outros menos, somos indiferentes, “passamos ao largo” de muitas coisas, realidades, fatos e pessoas, em algumas situações e até de nós mesmos.

A indiferença tem um poder devastador. Ela é a companheira doentia do dominador e opressor, também dos que preferem as desigualdades, a violência, o ódio e a morte. Os indiferentes, de uma forma ou de outra, ferem, rejeitam, excluem, matam. Está correta esta velha conclusão: o contrário do amor não é o ódio, mas a indiferença…

Elisabete Cunha

19/06/08

4287403533_02d377bf1c_z_large

NÃO CONFUNDA DEPRESSÃO COM TRISTEZA!!

AVISO: ESTE POST É UM ESCLARECIMENTO PARA PESSOAS QUE CONFUNDEM TRISTEZA COM DEPRESSÃO!

O que é a depressão?

Depressão é uma doença que se caracteriza por afetar o estado de humor da pessoa, deixando-a com um predomínio anormal de tristeza. Todas as pessoas, homens e mulheres, de qualquer faixa etária, podem ser atingidas, porém mulheres são duas vezes mais afetadas que os homens. Em crianças e idosos a doença tem características particulares, sendo a sua ocorrência em ambos os grupos também freqüente.

Como se desenvolve a depressão?

Na depressão como doença (transtorno depressivo), nem sempre é possível haver clareza sobre quais acontecimentos da vida levaram a pessoa a ficar deprimida, diferentemente das reações depressivas normais e das reações de ajustamento depressivo, nas quais é possível localizar o evento desencadeador.

As causas de depressão são múltiplas, de maneira que somadas podem iniciar a doença. Deve-se a questões constitucionais da pessoa, com fatores genéticos e neuroquímicos (neurotransmissores cerebrais) somados a fatores ambientais, sociais e psicológicos, como:

Estresse
Estilo de vida
Acontecimentos vitais, tais como crises e separações conjugais, morte na família, traumas,perdas, entre outros.

Como se diagnostica a depressão?

Na depressão a intensidade do sofrimento é intensa, durando a maior parte do dia por pelo menos duas semanas, nem sempre sendo possível saber porque a pessoa está assim. O mais importante é saber como a pessoa sente-se, como ela continua organizando a sua vida (trabalho, cuidados domésticos, cuidados pessoais com higiene, alimentação, vestuário) e como ela está se relacionando com outras pessoas, a fim de se diagnosticar a doença e se iniciar um tratamento médico eficaz.

O que sente a pessoa deprimida?

Freqüentemente o indivíduo deprimido sente-se triste e desesperançado, desanimado, abatido ou ” na fossa “, com ” baixo-astral “. Muitas pessoas com depressão, contudo, negam a existência de tais sentimentos, que podem aparecer de outras maneiras, como por um sentimento de raiva persistente, ataques de ira ou tentativas constantes de culpar os outros, ou mesmo ainda com inúmeras dores pelo corpo, sem outras causas médicas que as justifiquem. Pode ocorrer também uma perda de interesse por atividades que antes eram capazes de dar prazer à pessoa, como atividades recreativas, passatempos, encontros sociais e prática de esportes. Tais eventos deixam de ser agradáveis. Geralmente o sono e a alimentação estão também alterados, podendo haver diminuição do apetite, ou mesmo o oposto, seu aumento, havendo perda ou ganho de peso. Em relação ao sono pode ocorrer insônia, com a pessoa tendo dificuldade para começar a dormir, ou acordando no meio da noite ou mesmo mais cedo que o seu habitual, não conseguindo voltar a dormir. São comuns ainda a sensação de diminuição de energia, cansaço e fadiga, injustificáveis por algum outro problema físico.

Como é o pensamento da pessoa deprimida?

Pensamentos que freqüentemente ocorrem com as pessoas deprimidas são os de se sentirem sem valor, culpando-se em demasia, sentindo-se fracassadas até por acontecimentos do passado. Muitas vezes questões comuns do dia-a-dia deixam os indivíduos com tais pensamentos. Muitas pessoas podem ter ainda dificuldade em pensar, sentindo-se com falhas para concentrar-se ou para tomar decisões antes corriqueiras, sentindo-se incapazes de tomá-las ou exagerando os efeitos “catastróficos” de suas possíveis decisões erradas.

Pensamentos de morte ou tentativas de suicídio

Freqüentemente a pessoa pode pensar muito em morte, em outras pessoas que já morreram, ou na sua própria morte. Muitas vezes há um desejo suicida, às vezes com tentativas de se matar, achando ser esta a ” única saída ” ou para ” se livrar ” do sofrimento, sentimentos estes provocados pela própria depressão, que fazem a pessoa culpar-se, sentir-se inútil ou um peso para os outros. Esse aspecto faz com que a depressão seja uma das principais causas de suicídio, principalmente em pessoas deprimidas que vivem solitariamente. É bom lembrar que a própria tendência a isolar-se é uma conseqüência da depressão, a qual gera um ciclo vicioso depressivo que resulta na perda da esperança em melhorar naquelas pessoas que não iniciam um tratamento médico adequado.

Sentimentos que afetam a vida diária e os relacionamentos pessoais

Freqüentemente a depressão pode afetar o dia-a-dia da pessoa. Muitas vezes é difícil iniciar o dia, pelo desânimo e pela tristeza ao acordar. Assim, cuidar das tarefas habituais pode tornar-se um peso: trabalhar, dedicar-se a uma outra pessoa, cuidar de filhos, entre outros afazeres podem tornar-se apenas obrigações penosas, ou mesmo impraticáveis, dependendo da gravidade dos sintomas. Dessa forma, o relacionamento com outras pessoas pode tornar-se prejudicado: dificuldades conjugais podem acentuar-se, inclusive com a diminuição do desejo sexual; desinteresse por amizades e por convívio social podem fazer o indivíduo tender a se isolar, até mesmo dificultando a busca de ajuda médica.

Como se trata a depressão?

O tratamento médico sempre se faz necessário, sendo o tipo de tratamento relacionado à intensidade dos problemas que a doença traz. Pode haver depressões leves, com poucos aspectos dos problemas mostrados anteriormente, ou pode haver depressões bem mais graves, prejudicando de forma importante a vida do indivíduo. De qualquer forma, depressões leves ou mais graves necessitam de tratamento médico, geralmente medicamentoso (com medicações antidepressivas), ou psicoterápico, ou a combinação de ambos, de acordo com a intensidade da doença e a disponibilidade dos tratamentos.

Autores: Dra. Ana Luiza Galvão

Dr. Cláudio Moojen Abuchaim

Colaboradores (Psiquiatria)